Sociedade

Portuguesa reencontra no Facebook filha desaparecida

Portuguesa reencontra no Facebook filha desaparecida

Doze anos depois das enxurradas que destruíram parcialmente o estado de Vargas (a norte de Caracas), a portuguesa Lucinda Nunes reencontrou, através do Facebook, a filha dada como desaparecida em Dezembro de 1999, quando tinha 10 anos de idade.

"Estou feliz, feliz não, superfeliz, já tenho a minha filha, graças a Deus que tudo lhe devo. Encontrei-a por sorte no Facebook, num dia em que procurava uma pessoa, e na emoção telefonei para um irmão em Portugal que constatou as semelhanças. Ele pediu-lhe amizade, estabeleceu contacto e soube que ela era vítima de Vargas, mas não se lembrava de nada", disse a emigrante natural do Arco da Calheta, Madeira.

Lucinda Nunes, explicou, em declarações à Agência Lusa, que a filha, Angely Sofia Nunes, "tem agora 22 anos, estava até há poucos dias numa instituição para adolescentes" em Caracas. "O tribunal autorizou que viesse viver comigo para iniciar um processo de adaptação."

Garantindo que as duas se dão muito bem, Lucinda Nunes precisou que aguardam o resultado de provas de ADN feitas pela polícia venezuelana e que algumas características físicas foram determinantes para a decisão do tribunal de permitir que a jovem, que é conhecida por outro nome, fosse viver com ela.

O caso, que mereceu há 12 anos a atenção dos ex-secretários de Estado das Comunidades Portuguesas, Rui de Almeida (PS) e José Cesário (PSD), remonta à noite de 15 para 16 de Dezembro de 1999, quando chuvas torrenciais provocaram deslizamentos em quase 80 quilómetros de zona costeira do Estado de Vargas. As regiões mais afectadas foram Los Corales e Carmem de Úria, esta última declarada inabitável e hoje reduzida a escombros.

A casa onde a família de Lucinda Nunes, em Carmem de Úria, desapareceu, sobrevivendo apenas um familiar dela e, ao que se sabe agora, também a sua filha.

Três meses mais tarde, a portuguesa viu a filha numas imagens de televisão, foi a um programa e mostrou uma foto, tendo sido informada por um telefonema que a luso-descendente esteve no Quartel de Paramacay, na altura da tragédia.

PUB

Depois de pedir a intervenção a Portugal para recuperar a filha, dizendo que estaria em casa de uma professora com familiares militares, cujos cargos que ocupavam alegadamente dificultavam a sua recuperação, Lucinda Nunes viajou, em Outubro de 2001, à Madeira, onde se encontrava de visita o Presidente Hugo Chávez, a quem pediu ajuda.

Chávez disse então que conhecia este caso e garantiu que as autoridades venezuelanas investigavam possíveis pistas do paradeiro da criança.

Pouco depois uma equipa da Polícia Técnica Judiciária iniciou uma investigação e, em Junho de 2006, fontes da Direção de Inteligência Militar confirmaram, conjuntamente com outros corpos policiais, uma operação de vigilância a várias pessoas para localizar a menina.

O caso foi ainda tema de um pedido de apoio junto do então presidente da Assembleia Nacional, William Lara, em Fevereiro de 2002.

Não existem dados oficiais sobre o número de portugueses mortos nas enxurradas de Vargas, mas segundo fontes da comunidade terão morrido uma centena, 44 dos quais na localidade de Cármen de Úria. A comunicação social local avançou para um número total de vítimas mortais de 100 mil pessoas, que foi depois corrigido pelas autoridades para mais de 10 mil.

Foram feitas 600 denúncias de pessoas desaparecidas, entre elas 119 crianças, 14 das quais luso-descendentes.

Além dos cartazes colados em vários locais, e em autocarros foram publicadas fotografias nos pacotes de leite.

*agência Lusa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG