Ciência

Prémio milionário para quem decifrar código genético de centenários

Prémio milionário para quem decifrar código genético de centenários

Uma competição milionária vai pôr equipas de todo o mundo a decifrar o código genético de pessoas que duraram mais de 100 anos. A Archon Genomics X tem como base amostras genéticas de centenários e pretende encorajar a "medicina personalizada".

Os participantes do concurso, com início previsto para Janeiro de 2013, terão de, no prazo de 30 dias, decifrar o código genético de 100 centenários com um custo máximo de mil dólares por indíviduo (700 euros). As amostras de células de que vão dispor foram doadas por centenários de diferentes origens éticas e de várias partes do mundo.

A competição já teve uma edição há cinco anos atrás e na época não houve nenhum vencedor, mas o prazo era de 10 dias. O vencedor desta edição vai poder arrecadar 10 milhões de dólares, cerca de sete milhões de euros.

"Nós mudámos a duração da competição de 10 para 30 dias após discussões com os concorrentes em potencial, que consideraram a estreita margem de tempo uma barreira", explicaram Larry Kedes e Grant Campany, da Fundação X Prize, da Califórnia, EUA, parceira na competição.

As descodificações vencedoras terão de apresentar altos padrões de qualidade e só é permitido um erro num milhão de bases.

O genoma compreende o ADN, embalado numa "escada" de dupla hélice cujos degraus contêm quatro bases químicas.

A genética pesquisa cerca de três biliões de pares à procura de pequenas falhas vinculadas a doenças. O objectivo é desenvolver uma "medicina personalizada", na qual o indíviduo possa ser avisado sobre o risco de ter uma doença concreta e tomar as medidas necessárias para evitá-la ou para abrandá-la.

O uso de amostras de voluntários centenários procura assim revelar os segredos de uma vida longa e saudável e descobrir diferentes tipos de ADN que evitam ou reprimam as doenças.

Esta investigação pode também ajudar a identificar novos alvos para medicamentos e mudanças no estilo de vida.

Segundo os organizadores, depois da competição, a amostra genética será "disponibilizada abertamente para a comunidade cinetífica" na esperança de incentivar a pesquisa.