Sociedade

Próxima campanha do Banco Alimentar contra a Fome está em risco

Próxima campanha do Banco Alimentar contra a Fome está em risco

Isabel Jonet está sob fogo cerrado após garantir, em direto na SIC, que não existe miséria em Portugal. Uns pedem a sua demissão. Outros ameaçam não doar comida no peditório de 1 e 2 de dezembro.

Com um percurso invejável na área da solidariedade em Portugal e na Europa, a presidente do Banco Alimentar (BA) conseguiu, numa declaração com pouco mais de seis minutos, provocar a ira de quem agora questiona a sua liderança naquela instituição - que, recorde-se, fornece alimentos a várias organizações de solidariedade social. Multiplicando-se já nas redes sociais os cidadãos que garantem não ir contribuir na próxima campanha de recolha de alimentos, em dezembro. "Se não temos dinheiro para comer bifes todos os dias, não podemos comer bifes todos os dias", como frisou Isabel Jonet, foi a pedrada num charco. Aliás, os dados do Instituto Nacional de Estatística indicam que desde o início da crise o total de consumo de carne vermelha caiu 5 quilos por habitante.

Ao JN, a economista rejeitou comentar a petição dinamizada pelo 'Movimento sem emprego', que exige a sua demissão. Até porque, entretanto, já surgiu um outro grupo que enaltece as capacidades de Jonet.

Ler mais na versão e-paper ou na edição impressa