Guiné-Conacri

Centro de tratamento do Ébola em Conacri curou dois terços dos doentes infetados

Centro de tratamento do Ébola em Conacri curou dois terços dos doentes infetados

O centro de tratamento de Ébola em Conacri conseguiu curar cerca de dois terços dos doentes infetados com o vírus que ali chegaram nas últimas seis semanas, disse à agência Lusa o chefe de missão dos Médicos Sem Fronteiras na Guiné-Conacri.

"Neste centro, desde 27 de maio, 21 pacientes de um total de 31 saíram curados", referiu Jerôme Mouton, que pede a quem fique doente que se dirija aos centros o quanto antes porque quanto mais cedo for diagnosticado um caso de Ébola, mais hipóteses há de sobreviver e de evitar o contágio.

A taxa de cura alcançada "é uma conquista" e constituiu "alguma surpresa", porque a estirpe Zaire do vírus, que está a causar o surto, "é a pior: pode matar até 90% das pessoas afetadas", realçou.

"Não há tratamento para o Ébola, mas é como outras doenças. O corpo luta contra ela e pode ganhar essa luta com um pouco de ajuda", acrescentou o responsável dos Médicos Sem Fronteiras (MSF).

A receita passa por "tratar os sintomas e prevenir que outras infeções surjam", tais como Malária, endémica na região, entre outras doenças.

Com essa proteção acrescida dada ao doente isolado, "mantendo-o hidratado e alimentado" para enfrentar a severidade da febre, vómitos e diarreias, "o sistema imunitário tem capacidade para vencer a luta contra o vírus e a pessoa ficar curada".

Ao mesmo tempo que se trata quem já está infetado, acompanha-se o estado de saúde de todas as pessoas com quem o doente contactou para ser feito um isolamento precoce "no caso de alguém desenvolver os sintomas" de Ébola.

"Foi isso que foi feito aqui na Guiné-Conacri com algum sucesso" e que Jerôme Mouton acredita ser a razão pela qual "a situação está muito melhor que em países vizinhos".

As possibilidades de sobrevivência são confirmadas por Nyka Alexander, porta-voz do centro de coordenação da Organização Mundial de Saúde para o combate ao Ébola na sub-região (Giné-Conacri, Serra Leoa e Libéria).

"O que sabemos é que se alguém tiver Ébola e não for tratado, nove em cada 10 morrem. Mas se for para os centros, dois em cada três vão viver", destacou à agência Lusa na sede da OMS em Conacri.

Um cenário que a leva a realçar a necessidade de "espalhar a mensagem junto das comunidades: vizinhos a dizer a vizinhos que se alguém se sentir mal deve ir a um centro de tratamento e assim as chances de sobreviver e proteger amigos e família são altas".

Nas ruas de Conacri e noutras regiões do país onde também já foi detetado Ébola, a vida decorre com normalidade, em contraste com o elevado grau de preocupação no resto do mundo.

Jerôme Mouton considera que a população tem razão em não entrar em pânico.

"Para apanhar esta infeção é preciso estar em contacto direto com alguém que está infetado e sintomático. Pessoas assim não costumam andar pelas ruas. Estão na cama com febre alta e grande fraqueza e mesmo que circulem não trocam fluídos corporais com toda a gente, todo o dia", explicou.

No resto do mundo "há preocupação, porque é uma doença assustadora, mas é preciso explicar que não é nova e sabemos o que fazer", acrescentou Nyka Alexander.

"Temos que cortar as cadeias de transmissão nestes países para ficarmos aliviados e não haver tanta preocupação" no resto do mundo, concluiu.

Familiares e equipas de saúde que tratam pessoas infetadas têm sido as principais vítimas da doença, a par de quem trata dos corpos dos mortos.

*Agência Lusa

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG