O Jogo ao Vivo

Cancro da mama

Facebook retirou imagens de cicatriz após mastectomia

Facebook retirou imagens de cicatriz após mastectomia

O Facebook voltou a retirar imagens de utilizadores por alegada violação da política da empresa. Depois de ter vencido o cancro da mama, Joanne Jackson quis partilhar a sua história. Mas as imagens que colocou na rede social e que exibem a cicatriz depois da mastectomia (remoção do peito) foram consideradas ofensivas.

Joanne Jackson, de 40 anos, posou numa sessão fotográfica para celebrar a vida depois de vencer o cancro da mama e decidiu colocar 11 imagens na rede social para inspirar outras mulheres na mesma situação, conta o jornal local "Huddersfield Daily Examiner".

Entretanto, esta utilizador britânica recebeu uma notificação do Facebook que explicava que alguns dos conteúdos tinham sido retirados da sua página porque continham "nudez, pornografia ou conteúdo sexual" e violavam a política da empresa.

Em resposta, Joanne Jackson revelou o sucedido ao 'postar' uma das imagens "ofensivas" na sua conta do Twitter.

"Eu não sou tímida, mas estas imagens eram mais para outras mulheres a quem foi diagnosticado cancro da mama do que para me mostrar a mim mesma", explicou ao jornal britânico. "As imagens não são suaves, são reais e eu estou muito orgulhosa delas", afirmou.

Joanne Jackson foi avisada que, se continuar a violar as regras da rede social, a sua conta será fechada.

"Não há nada pornográfico ou explícito nestas fotografias. Essa não era, de todo, a ideia", realçou. "Eu decidi que a mastectomia não ia impedir-me de viver a minha vida. Não ia definir quem sou nem tornar-me menos atrativa como mulher", justificou. "A minha atitude foi de lidar com a situação. Eu sabia que podia dar um chuto no rabo do cancro e dei", disse, orgulhosa.

PUB

Joanne é casada e tem dois filhos, Connah e Evan, com 19 e 5 anos, respetivamente. Colocou as fotografias num álbum da sua página pessoal e em páginas de várias organizações de luta contra o cancro. Não se sabe quem as denunciou.

As imagens foram re-colocadas online por amigos de Joanne e estão já espalhadas por vários perfis de utilizadores da Austrália, EUA, Canadá e Espanha.

"É censura pura e simples", afirmou Joanne. "Eu não vou recuar, por isso o Facebook pode fazer o que quiser".

O fotógrafo Paul Hodgson descreveu as imagens como "inspiradoras, não obscenas ou eróticas" e acrescentou: "isto quer mostrar que um diagnóstico de cancro não significa que a vida acabou". "As fotografias mostram que a pessoa pode vencer o cancro e continuar a ser elas mesmas".

Joanne não precisou de fazer quimio ou radioterapia e está agora a fazer reconstrução do seio.

Um porta-voz da empresa disse que o Facebook aceita fotografias sobre mastectomias mas que algumas delas violam os regulamentos da rede social sobre a nudez.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG