Enfermeiros

Governo compromete-se com fim de contratação de enfermeiros a baixo custo

Governo compromete-se com fim de contratação de enfermeiros a baixo custo

O Governo comprometeu-se a acabar com a contratação de enfermeiros a baixo custo para o Serviço Nacional de Saúde, em resposta à contestação dos profissionais, anunciou o bastonário da Ordem dos Enfermeiros, após uma reunião com o ministro da Saúde.

Germano Couto adiantou que a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) concluiu, segundo informações transmitidas pelo ministro Paulo Macedo, que não há ilegalidades no concurso de contratação de enfermeiros, por empresas de prestação de serviços, para trabalharem em centros de saúde. "Neste momento, não há situações de ilegalidade, o que não permite que o concurso seja colocado em causa ou mesmo anulado", explicou.

A reunião, no ministério, em Lisboa, ocorreu depois das denúncias da Ordem e do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses de que profissionais da classe tinham sido contratados por empresas de prestação de serviços para trabalharem a 3,96 euros por hora em centros de saúde da Região de Lisboa e Vale do Tejo (distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém).

Uma situação que consideram pouco digna para a profissão e que terminou, na sexta-feira, com a concentração de meia centena de enfermeiros à porta do Ministério da Saúde.

Em declarações à agência Lusa, o bastonário da Ordem dos Enfermeiros, Germano Couto, referiu que o ministro Paulo Macedo se comprometeu "a indexar o valor a ser pago aos enfermeiros pela tabela em vigor para a carreira de enfermagem".

O mesmo compromisso já havia sido assumido, na quinta-feira, pelo secretário de Estado da Saúde, Manuel Teixeira, ao Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, de acordo com o seu presidente, José Carlos Martins.

O bastonário dos enfermeiros acrescentou que, conforme garantia do ministro da Saúde, "as contratações, daqui para a frente, de enfermeiros para a Função Pública será feita não pela prestação de serviços, com o recurso ao recibo verde, mas através de contratos individuais de trabalho".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG