SNS

Comissão de Ética diz que prática clínica está cheia de desperdício e até corrupção

Comissão de Ética diz que prática clínica está cheia de desperdício e até corrupção

O presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida afirmou, esta terça-feira, que a prática clínica está cheia de casos de desperdício e alguns de corrupção que lesam o Estado e são atentados à ética na saúde.

Miguel Oliveira da Silva falava à margem da conferência sobre Fundamentos Éticos nas Prioridades em Saúde, que decorre na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Para este especialista em ginecologia e obstetrícia, actos de desperdício como a prescrição de mamografias desnecessárias ou exames complementares de diagnóstico repetidos são alguns exemplos de desperdícios que muitos médicos praticaram, incluindo ele próprio.

Trata-se, segundo disse, de uma "medicina defensiva" que visa evitar que um doente processe posteriormente o médico por não ter realizado todos os exames possíveis, mas que é "uma má prática médica".

Mas há outros casos mais graves e que, segundo Miguel Oliveira da Silva, configuram situações de corrupção, como a prescrição de exames desnecessários com o único objectivo destes serem realizados nas clínicas onde os prescritores trabalham e à conta do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

É fácil convencer uma grávida a fazer ecografias, pois "é giro, vê o bebé e até fica com umas fotografias", mas é "uma má prática médica".

A este propósito, o presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) disse concordar com o controlo que a tutela está a impor aos médicos na prescrição. "O ministro da Saúde controla todos os exames que eu peço", disse, enaltecendo a contenção nesta área.

Os custos dominaram a intervenção do economista Pedro Pita Barros, que apresentou à plateia as escolhas que, na sua opinião, terão de ser feitas para alcançar os limites da despesa pública com medicamentos impostos pela troika: "Ou os doentes pagam mais, ou consumimos menos ou esmagamos preços".

A situação revela-se mais melindrosa no ambiente hospitalar, no qual as escolhas terão de ser feitas em áreas como a oncológica. "Gastamos 300 mil euros para prolongar duas semanas de vida ou investimos esse valor noutra área?", questionou.

O padre Vitor Feytor Pinto, da Pastoral da Saúde, trouxe ao debate a espiritualidade nesta área e alertou para que "não se caia na tentação do toca e foge". "Temos de estar presentes para o doente e ele tem de saber que estamos lá", disse.