Sociedade

Hospital atrasa doentes com cirurgias fictícias

Hospital atrasa doentes com cirurgias fictícias

A administração do Centro Hospitalar do Baixo Vouga criou num esquema fictício que prende os doentes em listas de espera e impede que sejam operados, em tempos aceitáveis, em hospitais privados.

O Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV) - que agrega os hospitais de Aveiro, Águeda e Estarreja - está a atrasar as operações aos doentes com a marcação de cirurgias fictícias. Operações reagendadas e consecutivamente adiadas, havendo casos em que os doentes nem sequer sabem que têm cirurgias marcadas, conforme alguns testemunharam ao JN. Segundo fontes do CHBV, desta forma a administração liderada por José Afonso não engrossa a lista de espera de cirurgias do CHBV (não sendo por isso penalizado financeiramente no contrato-programa com o Governo) e evita despesas ao não enviar os doentes para fazerem operações em outros hospitais. No âmbito do Sistema Integrado de Gestão de Inscritos para Cirurgia (SIGIC), as intervenções são pagas pelos hospitais de origem dos doentes.

Ler mais na versão e-paper ou na edição impressa