Sociedade

PSD considera bastonário da Ordem dos Médicos "força de bloqueio permanente"

PSD considera bastonário da Ordem dos Médicos "força de bloqueio permanente"

O deputado do PSD Miguel Santos considerou, esta terça-feira, que o bastonário da Ordem dos Médicos perdeu a independência e a credibilidade, acusando José Manuel Silva de confundir "a sua agenda política" com as funções que exerce.

"José Manuel Silva não apresenta uma crítica construtiva, uma proposta", lamentou o deputado social-democrata em declarações à Lusa.

Sem se referir a nenhuma posição em concreto tomada pelo bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Santos condenou a forma como José Manuel Silva age como "força de bloqueio permanente", considerando que chega a "disputar o palco com a esquerda mais radical".

"Lamentamos profundamente a forma como o bastonário da Ordem dos Médicos exerce as suas funções, não adotando uma posição institucional respeitável. Devia procurar os consensos em vez de optar por uma linguagem panfletária", declarou.

Miguel Santos considerou ainda que José Manuel Silva utiliza o cargo de bastonário da Ordem dos Médicos para prosseguir "um projeto pessoal" e fazer "propaganda política".

As posições que o bastonário da Ordem dos Médicos tem assumido são bastante críticas para o Governo. Num artigo de opinião, publicado no JN, enunciou as 10 razões da congestão das urgências.

Recentemente, em Angola, durante o X Congresso Internacional dos Médicos, José Manuel Silva disse que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) português já "não cumpre" o estipulado pela Constituição, consequência dos cortes no financiamento do setor.

Já esta semana, o bastonário da Ordem dos Médicos insurgiu-se contra a decisão do ministério da Saúde de dar aos enfermeiros a possibilidade de virem a pedir exames nos serviços de urgência de alguns hospitais, medida que classificou como "demagógica, inútil e prejudicial".