SNS

SNS não está a ser pago a preço de luxo, garante Constantino Sakellarides

SNS não está a ser pago a preço de luxo, garante Constantino Sakellarides

O presidente da Fundação para a Saúde, Constantino Sakellarides, afirmou, este sábado, em Setúbal, que o Serviço Nacional de Saúde é "um sucesso da medicina portuguesa que não está a ser pago a preço de luxo".

Constantino Sakellarides falava no primeiro de um ciclo de encontros locais que visam preparar o I Congresso do SNS, previsto para setembro, em que advertiu para a ideia errada que pode ser transmitida por algumas notícias, como a que foi publicada pelo jornal "Expresso".

O "Expresso" ouviu gestores e especialistas do setor e noticia que "SNS é bem essencial pago a preço de luxo", título que mereceu a discordância de Sakellarides.

"Se nós temos um PIB baixo e que cresceu muito menos do que o PIB de outros países com que nos comparamos, a percentagem do PIB eleva-se, não por gastarmos muito mas porque o PIB é baixo e por termos crescido pouco", justificou.

Questionado sobre alegadas faltas de equipamentos de radioterapia em serviços de oncologia de algumas unidades hospitalares, o presidente da Fundação para a Saúde disse tratar-se de um "racionamento implícito, que é muito difícil de objetivar, mas que existe".

Para Constantino Sakellarides, este racionamento faz-se "mudando protocolos e adiando [o tratamento dos doentes]", o que pode permitir "poupanças imediatas, mas também poderá ter custos muito acrescidos a médio e longo prazo".

Apesar das críticas, Constantino Sakellarides reconheceu que o Ministério da Saúde também tem vindo a adotar algumas medidas positivas para garantir a sustentabilidade do SNS.

"Há um conjunto de medidas concretas que têm sido tomadas e que favorecem a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde, não só a nível dos medicamentos, na racionalização das instalações da saúde e na forma como tem procurado cobrir o défice do SNS", disse.

Sakellarides acrescentou, no entanto, que há dois aspetos fundamentais que têm de ser alterados: as taxas moderadoras e a avaliação dos impactos da crise na saúde.

"O primeiro tem a ver com as falsas taxas moderadoras, uma questão mais importante do que parece. O Governo tem dado mostras de entender os prejuízos e inconvenientes de avançar por esse caminho e um sinal dessa preocupação foi o facto de não terem sido aumentadas as taxas moderadoras dos cuidados primários de saúde e de ter dito que a proposta do FMI, de subir as taxas moderadoras para níveis estratoesféricos, também não fazia sentido", disse.

Além da preocupação com o aumento das taxas moderadoras, que considerou serem copagamentos, Constantino Sakellarides, defendeu a necessidade de se contabilizar o impacto da crise de austeridade na saúde, para se poder explicar aos parceiros europeus quais são os impactos da austeridade sobre a saúde e o bem-estar das pessoas.

"Se não pusermos esses números, essa estimativa, sobre a mesa, perdemos a oportunidade de negociar e de mostrar que a austeridade, a partir de um certo momento, é inaceitável em termos sociais", concluiu.