estudo

"Má sorte" na origem da maioria dos cancros

"Má sorte" na origem da maioria dos cancros

Um estudo publicado na revista "Science" revela que dois terços dos tipos de cancro se devem à "má sorte" de sofrer uma mutação durante o processo de divisão celular. Ou seja, não dependem de fatores de risco que possamos evitar.

Uma equipa de investigadores norte-americanos, das escolas de medicina da universidade Johns Hopkins e do instituto Bloomberg, tentou perceber por que alguns tecidos celulares eram milhões de vezes mais vulneráveis ao cancro do que outros.

Os resultados, publicados na revista "Science" esta sexta-feira, demonstram que dois terços dos tipos de cancro analisados são causados por mutações que ocorrem durante o processo de divisão das células, não tendo influência dos estilos de vida adotados.

"Se dois terços da incidência do cancro se explica por mutações aleatórias no ADN quando as células se dividem, a mudança do nosso estilo de vida e de hábitos será uma grande ajuda na prevenção de alguns cancros, mas não será para muitos outros", explicou Cristian Tomasetti, um dos investigadores envolvido no estudo, citado pela BBC.

O estudo comparou as vezes que as células estaminais se dividiram em 31 tecidos de diferentes partes do corpo com as probabilidades de surgir um cancro nesses tecidos, causado pela mutação nas células durante a divisão e, por isso, impossível de prevenir.

O "alerta" deste tipo de estudos é lembrar a importância do diagnóstico precoce. "Devemos concentrar mais recursos na descoberta de meios que permitam detetar este tipo de cancros em fases iniciais e possíveis de curar", defendeu o investigador.

Entre estes tipos de cancro estão os tumores no cérebro, pequenos tumores no intestino e pâncreas.

PUB

Dois tipos comuns de cancro - mama e próstata - não foram analisados no estudo, uma vez que os investigadores não encontraram um nível de divisão celular consistente nestes tecidos.

Segundo o centro britânico de investigação sobre cancro, mais de quatro em dez casos de cancro devem-se ao estilo de vida adotado e a fatores de risco como fumar, beber álcool e seguir uma dieta alimentar pouco saudável. Isto é, são influenciados pelas opções que fazemos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG