Sociedade

Novo coronavírus faz primeira vítima em França

Novo coronavírus faz primeira vítima em França

A primeira vítima em França de um vírus semelhante ao da Síndroma Respiratória Aguda Severa (SRAS), possivelmente contraído no Dubai, morreu, disseram esta terça-feira, esta responsáveis sanitários franceses.

"O primeiro doente morreu", disse um porta-voz da Direção-Geral de Saúde, em referência a um homem de 65 anos, hospitalizado a 23 de abril.

Um outro homem, que partilhou o quarto hospitalar com a vítima durante três dias, é portador do vírus nCoV-EMC, ou Coronavírus da Síndroma Respiratória do Médio Oriente (MERS), um "primo" da SARS, que causou pânico mundial em 2003 e 800 mortos.

O segundo homem, na casa dos 50 anos, foi hospitalizado a 9 de maio, em Lille (norte).

O novo vírus matou 19 pessoas. Como a SRAS, causa uma infeção nos pulmões, e os doentes apresentam sintomas como febre, tosse e dificuldades respiratórias. A diferença, relativamente à SRAS, é que causa também falência renal.

Há 44 casos confirmados laboratorialmente, em todo o mundo, de MERS.

A Arábia Saudita é o país com mais casos, com 30 infeções confirmadas e 17 mortes. Foram detetados doentes na Jordânia, Qatar, Tunísia, Emirados Árabes Unidos, Alemanha, Reino Unido e França.

PUB

Cientistas no centro médico Eramus em Roterdão determinaram que o vírus escolhe os pulmões para desenvolver a infeção e sugeriram que os morcegos são um reservatório natural de coronavírus.

Os morcegos também foram apontados como um reservatório natural para o vírus da SRAS num estudo de 2005 e são transmissores do Ébola.

Na sexta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) sublinhou que são desconhecidos muitos dados sobre a MERS e que pretende trabalhar em conjunto com a Arábia Saudita, a Tunísia e talvez outros países do Médio Oriente para determinar o nível de risco.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG