Sociedade

Queimaduras causadas por tinta capilar não foram notificadas ao Infarmed

Queimaduras causadas por tinta capilar não foram notificadas ao Infarmed

O Infarmed não recebeu qualquer notificação de efeitos indesejáveis relacionados com uma tinta capilar que terá provocado queimaduras numa jovem, mas está a avaliar a situação, revelou em comunicado a autoridade do medicamento.

Em causa está uma notícia divulgada nos meios de comunicação sobre "um possível efeito indesejável relacionado com a utilização da tinta capilar Amalfi Color creme Bio Force nº11 Negro.

O produto em causa pertence à firma espanhola Quimi Romar S.L. e está adequadamente registado na autoridade competente daquele país, especifica o Infarmed.

"Até ao momento não foram notificados efeitos indesejáveis relacionados com a utilização do referido produto quer à Autoridade Competente Espanhola quer ao Infarmed", acrescenta.

Contudo, o Infarmed está a "estabelecer todos os contactos necessários para obter a informação complementar necessária para uma melhor avaliação da situação e para conhecimento do canal de distribuição do referido produto em Portugal, de modo a adotar outras medidas, se adequado, no sentido da garantia da conformidade do mercado e da segurança dos utilizadores".

A autoridade do medicamento alerta ainda, no seu comunicado, que as tintas capilares podem provocar reacções alérgicas que por vezes se manifestam com gravidade, risco que deverá obrigatoriamente ser mencionado na rotulagem do produto.

No caso deste produto, "aquela obrigação está cumprida pelo responsável pela colocação do produto no mercado europeu, uma vez que a informação constante da rotulagem refere a necessidade de realização de um teste de sensibilidade 48 horas antes da sua utilização, uma vez que em raros casos este tipo de produtos pode provocar reacções alérgicas", esclarece.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG