Sociedade

Retirada campanha "Sou feliz sendo prostituta"

Retirada campanha "Sou feliz sendo prostituta"

O Ministério da Saúde brasileiro retirou a campanha para sensibilizar prostitutas a usarem preservativo, depois das críticas da Oposição e de setores mais conservadores. O slogan da campanha era "Sou feliz sendo prostituta".

O slogan da campanha foi escolhido para incentivar as profissionais do sexo a procurarem tratamento para as doenças sexualmente transmissíveis e foi lançado para assinalar o Dia Internacional da Prostituta, no Brasil.

A campanha, publicitada no site do Ministério da Saúde brasileiro e nas redes sociais, foi lançada no fim-de-semana, suscitando uma onda de críticas, especialmente entre os deputados evangélicos no Congresso do Brasil.

"Estamos a lutar contra a prostituição infantil e surge uma campanha para a incentivar", criticou a deputada federal Liliam Sá.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha -, uma estrela em ascensão no Partido Trabalhador e apontado como candidato a governador do estado de S. Paulo no próximo ano -, reagiu através do Twitter.

Padilha assegurou que a campanha foi lançada sem a sua autorização e que a decisão de a retirar foi tomada à margem das críticas.