Comissão Europeia

UE dá mais dois milhões de euros para luta contra epidemia de Ébola

UE dá mais dois milhões de euros para luta contra epidemia de Ébola

A Comissão Europeia decidiu dar mais dois milhões de euros para a luta contra a epidemia do Ébola e prestar cuidados médicos às comunidades atingidas por este vírus mortal na África Ocidental.

Esta nova contribuição eleva a ajuda total da Comissão Europeia a 3,9 milhões de euros.

Os fundos concedidos vão transitar para a Organização Mundial de Saúde (OMS), que fornece equipamentos e conselhos, além de coordenar a vigilância epidemiológica, e para as organizações não-governamentais Médicos Sem Fronteiras (MSF), Cruz Vermelha e Crescente Vermelho.

"O nível de contaminação no terreno é extremamente preocupante e devemos intensificar a nossa ação antes que aumente o número de mortos", declarou a comissária para a Ajuda Humanitária, Kristalina Georgieva, numa homenagem aos membros das equipas sanitárias que lutam contra a epidemia "pondo em risco a própria vida".

A UE destacou peritos no terreno "mas precisa de um forte apoio da comunidade internacional para ajudar a África Ocidental a responder a esta ameaça", sublinhou.

A epidemia de Ébola na África Ocidental está fora de controlo, a piorar e pode atingir outros países, advertiu o diretor de operações da MSF, Bart Janssens, numa entrevista ao jornal Libre Belgique.

A epidemia, surgida no início do ano, foi declarada primeiro na Guiné-Conacri, antes de se estender à Libéria e depois à Serra Leoa, dois países vizinhos que, a 23 de julho, totalizavam 1201 casos e 672 mortes, de acordo com o último balanço da OMS.

O vírus do Ébola transmite-se por contacto direto com o sangue, líquidos biológicos ou tecidos de pessoas ou animais infetados.

A febre manifesta-se através de hemorragias, vómitos e diarreias. A taxa de mortalidade varia entre os 25 e 90% e não é conhecida uma vacina contra a doença.