vacinas

Vacina contra meningite A revela-se muito eficaz em larga escala

Vacina contra meningite A revela-se muito eficaz em larga escala

Uma nova vacina contra a meningite do tipo A, utilizada em campanhas de vacinação em vários países africanos, provou ser muito eficaz em larga escala, indica um estudo clínico divulgado esta quinta-feira.

O estudo refere que nenhum novo caso de meningite A foi detetado no seio de uma população de 1,8 milhões de pessoas vacinadas em 2011 em três regiões do Chade, segundo o estudo publicado pela revista britânica Lancet.

Relativamente a todos os tipos de meningite, os novos casos registados durante o ano de 2012 caíram para 2,5 por 100 mil habitantes, contra 43,6 casos por 100 mil habitantes nas outras regiões do Chade não abrangidas pelo programa de vacinação, o que traduz uma descida de 94 %.

Causada por uma bactéria, a meningite é uma inflamação das meninges (membrana que envolve o encefálo e a medula espinhal), que provoca graves lesões cerebrais e se revela mortal se não for tratada.

Esta é provocada por vários tipos de bactérias, em particular o meningococo do grupo A, responsável por 80 a 85 % dos casos em África, onde as epidemias surgem em cada sete a 14 anos de intervalo.

As crianças e os jovens adultos são os mais expostos a esta enfermidade.

O portador do meningococo A, passível de transmitir o germe, diminuiu 98 % nas regiões abrangidas pela vacinação, indicam dados dos investigadores europeus que participaram no estudo.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as 450 milhões de pessoas que vivem na chamada "cintura da meningite" em África, região que se estende do Senegal à Somália, são as que enfrentam maiores riscos de serem infectadas pelo meningococo do tipo A.

A última epidemia ocorreu em 2009, quando 88 mil casos suspeitos foram registados, causando 5.300 mortos, segundo a OMS.

Depois da introdução da "MenAfriVac" no Burkisa Faso, em 2010, mais de 100 milhões de pessoas já foram vacinadas em África.

"Isto é muito encorajador para os países que ainda não introduziram a vacina" declarou Jean-Marie Okwo-Bele, diretor do departamento de vacinação da OMS.

O "MenAdriVac" foi desenvolvido no âmbito de um projeto que teve como parceiros a OMS e por uma organização norte-americana financiada pelo casal Bill e Melinda Gates.

Os sintomas mais comuns de meningite são dor de cabeça e rigidez de nuca associados à febre, confusão mental, alteração do nível de consciência, vômitos e a intolerância à luz (fotofobia) ou a sons altos (fonofobia).

Uma punção lombar (inserção de uma agulha no canal medular para extração de uma amostra de líquor, o líquido que envolve o encéfalo e a medula espinal) pode ser usada para diagnosticar ou excluir um quadro de meningite.

Outras Notícias