O Jogo ao Vivo

pandemia

Vacina contra a varíola também faz parte da reserva estratégica

Vacina contra a varíola também faz parte da reserva estratégica

A par do antiviral que combate a variante humana da "gripe das aves", também a vacina contra a varíola faz parte da reserva estratégica de medicamentos em Portugal, sendo a sua localização um "segredo de Estado", segundo a subdirectora-geral da Saúde.

Graça Freitas contou à Lusa que a aquisição de vacinas contra a varíola foi decidida no âmbito de medidas contra o bioterrorismo, adoptadas após o 11 de Setembro de 2001.

Sem revelar o número de vacinas adquiridas, nem o local onde estas se encontram, a especialista em saúde pública adiantou que as vacinas contra a varíola são de primeira geração. Refira-se que, hoje, já existem vacinas de segunda geração que têm menos efeitos secundários, sendo contudo mais caras.

PUB

As vacinas actualmente em reserva foram adquiridas a um laboratório estrangeiro, já que Portugal não produz vacinas e a varíola está erradicada desde 1980.

A doença - que matou 500 milhões de pessoas no século XX - conseguiu ser eliminada graças à vacinação e porque o Homem é o único hospedeiro, ao contrário do vírus da "gripe das aves", cujo reservatório principal são precisamente as aves.

Apesar desta boa notícia para a saúde pública, a varíola viria a causar mais dores de cabeça às autoridades de saúde, mas também às da segurança, pois começou a ser temida como arma biológica.

A ser usado para fins terroristas, o vírus da varíola seria a arma mais eficaz e mortal, graças à sua letalidade. Foi face a estas ameaças que Portugal adquiriu várias doses de vacinas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG