Morte

Setúbal

Falta de informação no registo clínico leva à morte de grávida

A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) responsabilizou o Centro Hospitalar de Setúbal (CHS) por "insuficiências" no preenchimento do registo clínico de uma mulher grávida de risco que viria a falecer após o parto, em agosto de 2020. Já uma bebé que morreu após internamento no Hospital de Évora terá recebido alta quando "ainda apresentava sinais não tranquilizadores". Os casos seguem para a Ordem dos Médicos.

Imagens

Últimas