Dias de férias repostos e despedidos readmitidos

 | 27/09/2013
O Tribunal Consitucional decidiu que algumas empresas terão de "devolver" aos seus quadros dias de férias que ficaram por gozar. E há trabalhadores despedidos que poderão ter de ser readmitidos.
 
Pedro Rocha/Global Imagens

As empresas com acordo coletivos que preveem 25 dias úteis de férias vão ter de oferecer aos seus trabalhadores os 3 dias que ficaram por gozar este ano. E terão também de compensar o trabalho prestado em dia de descanso ou feriado.

Estas obrigações decorrem do conjunto de normas do Código do Trabalho que foram consideradas inconstitucionais pelos juízes do Palácio Ratton. As empresas que despediram trabalhadores sem observar o critério da antiguidade poderão também ter de os readmitir. O Governo desdramatiza este chumbo e vai agora discutir com os parceiros sociais alternativas.

Entre as normas vetadas está a extinção de posto de trabalho baseada em critérios "relevantes e não discriminatórios", que o novo Código do Trabalho, em vigor desde agosto de 2012, passou a permitir.

Para o Tribunal Constitucional (TC) a lei abre aqui caminho à arbitrariedade, ao não estabelecer critérios e revogar a obrigação de observar o critério da antiguidade neste tipo de despedimento. Mas para o Governo, que se queixou de não ter sido informado previamente, este veto pode ser ultrapassado através da fixação de requisitos negociados à mesa da Concertação Social. Ao JN/Dinheiro Vivo, fonte oficial do Governo admitiu que na extinção de posto de trabalho se passe a ter em conta a assiduidade, produtividade e processos disciplinares.

Para o TC é igualmente inconstitucional que o novo Código venha sobrepor-se aos instrumento de contratação coletiva, tal como defendia o pedido de fiscalização sucessiva que lhe foi reemitido pelo PCP, BE e PEV a 12 de julho de 2012.

Desta forma, foram consideradas nulas as normas que sobrepunham a lei laboral aos acordos coletivos em matéria de majoração de férias em função da assiduidade e do descanso compensatório por trabalho suplementar realizado em dia de descanso e de feriado. Como o TC declarou a inconstitucionalidade "com força obrigatória geral", as empresas terão agora de repor os dias que sejam devidos.

Ler Artigo Completo
 
 
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora
subscrever

 
 
Mais Economia
31.07.15
Um Airbus 340 da TAP que fazia a ligação entre Lisboa e Luanda aterrou em Sevilha devido a um aviso de fumo na cabina, sem registo de incidentes.
31.07.15
O Turismo do Porto e Norte de Portugal anunciou ter 10 milhões e 300 mil euros para promover a região em 2016.
31.07.15
A Pharol, antiga PT SGPS, vai avançar com processos contra ex-administradores pelas aplicações na Rioforte, depois dos acionistas aprovarem a proposta...
31.07.15
Henrique Granadeiro não esteve presente na assembleia geral da PHarol onde vai ser decidido se a empresa vai avançar com processos contra antigos...
Comentar
Caracteres Disponíveis: 750
Enviar Comentário
Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

 



Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled