Manifestação proibida no centro de Madrid

18/05/2011
A polícia espanhola começou a reforçar a segurança na praça Puerta del Sol, em Madrid, pouco depois de a Junta Eleitoral ter proibido as concentrações de protesto no local, que se mantêm desde domingo. Apesar da proibição, milhares de pessoas mantêm-se na praça.
 
PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP
Manifestantes continuam em protesto no centro de Madrid
TAGS

Furgões policiais e agentes estão concentrados em várias ruas em torno à Puerta del Sol onde milahres de manifestantes pretendem protestar contra o sistema político.

O acesso à Puerta del Sol está parcialmente bloqueado em duas das ruas de acesso, com policiamento mais visível nas saídas de estações de metro que dão acesso à praça.

Um porta-voz dos manifestantes afirmou que os organizadores do protesto ainda não receberam comunicação oficial da decisão da Junta eleitoral de proibir a manifestação.

Fontes policiais citadas pela imprensa espanhola insistem que os agentes vão advertir todos os que se encontrem no local de que se continuarem o protesto estarão a incorrer num delito eleitoral e podem, por isso, ser detidos.

Milhares de manifestantes concentraram-se em 50 cidades espanholas no domingo passado tendo, no caso de Madrid, a manifestação continuado na Puerta del Sol, centro da cidade, até à madrugada de terça-feira, altura em que foi dispersada pela polícia.

Os manifestantes voltaram em peso na noite de terça-feira tendo sido convocados pelas redes sociais, conseguindo bloquear a praça. Apesar da proibição, mantêm-se os apelos através das redes sociais para que as pessoas se desloquem para a Puerta del Sol.

Ler Artigo Completo
 
 
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora
subscrever

 
 
Mais Mundo
24.05.15
A oposição trabalhista no Reino Unido vai apoiar a proposta do primeiro-ministro David Cameron para um referendo sobre a União Europeia, apelando...
24.05.15
Um japonês entregou-se às autoridades depois de ter deitado as cinzas da sua mulher, que "odiava", na sanita de um supermercado.
Comentar
Caracteres Disponíveis: 750
Enviar Comentário
Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

 


Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled