Voleibol

Miguel Maia, a lenda do tigre

Miguel Maia, a lenda do tigre

Aos 45 anos, o capitão do Sporting de Espinho conquistou a nona Taça de Portugal da carreira e mantém a paixão pelo jogo.

A noite foi longa, mas não há cansaço que supere as emoções da conquista da Taça de Portugal. Aos 45 anos, Miguel Maia parece ser feito de aço inoxidável e foi um dos pilares do triunfo do Sporting de Espinho, por 3-0, sobre o Benfica, que valeu, domingo, a conquista do troféu, em Gondomar.

"Foi superespecial, porque já andávamos arredados destas conquistas há algum tempo. Não defrontámos uma equipa qualquer. O Benfica ainda não perdeu no campeonato, porque é melhor que os outros, mas tivemos grande mérito em contrariar os pontos fortes deles", disse, ao JN, Miguel Maia, que, domingo, viveu um dia atribulado, por bons motivos: "Já tinha saudades disto. O meu pai faz anos e praticamente não tive tempo de falar com ele. Foi uma boa prenda. Recebi muitos telefonemas e SMS. Uma delas tocou-me particularmente, pois foi de um colega que está noutra equipa que disse que eu era uma lenda. Estas coisas ficam na nossa memória".

O distribuidor, que fez uma dupla de sonho com João Brenha no voleibol de praia, tendo conquistado dois quartos lugares em Jogos Olímpicos (Atlanta 1996 e Sydney 2000), somou a nona Taça de Portugal ao seu vasto palmarés, onde emergem 15 títulos de campeão.

"Sou de Espinho, cidade do voleibol, e comecei a jogar aos seis anos. Os títulos vão alimentando esta paixão e enquanto me sentir bem vou continuar a jogar. Não vou acabar apenas por acabar", faz notar, garantindo que não encontrou o elixir da juventude.

"Toda a gente pergunta qual é o meu segredo. O que posso dizer é sempre tive muito cuidado com a minha condição física e estive sempre disponível para treinar. Não tive grandes lesões e isso, naturalmente, é determinante", afirmou o "senhor voleibol".

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM