Menos queixas

Uber motiva taxistas a melhorar comportamento

Uber motiva taxistas a melhorar comportamento

Episódios de má educação, alguma agressividade e especulação de preços configuram uma imagem muitas vezes associada, especialmente em Lisboa, aos motoristas de táxi, aos quais é reconhecido, no entanto, algum esforço para alterá-la.

Parte dessa mudança foi impulsionada pelo aparecimento, nas ruas de Lisboa e do Porto, da plataforma privada Uber, que tem recebido elogios dos clientes pela simpatia e disponibilidade dos motoristas.

A mudança de comportamento dos taxistas é visível, desde logo, no número de queixas apresentadas pelos passageiros.

Contactada pela Lusa, a Deco -- Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor informou que o número de queixas apresentadas diminuiu consideravelmente nos últimos tempos e considerou as dos últimos meses "muito baixas".

No ano passado, chegaram à Deco 34 reclamações contra taxistas e este ano deram entrada cinco.

Quanto à Uber, não foram apresentadas queixas nesta associação.

O Portal da Queixa, por sua vez, recebeu nos últimos 12 meses 33 reclamações dirigidas à Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL).

Em declarações à Lusa, o diretor executivo da rede social de consumidores, Pedro Lourenço, disse que "o Portal da Queixa ainda não recebeu qualquer reclamação relativa aos serviços da Uber".

O número das reclamações dirigidas à ANTRAL ficará a dever-se, segundo o responsável, "à entrada em Portugal de um serviço concorrente, o qual demonstrou algumas fragilidades existentes no serviço no setor".

Apesar de a ANTRAL ter manifestado interesse em responder às reclamações, "nunca efetuou qualquer resposta pública aos consumidores através do Portal da Queixa", pelo que a taxa de resolução daquelas reclamações no portal é de 0%, disse o responsável.

A alegada falta de profissionalismo por parte dos taxistas na cobrança de um valor elevado pelo serviço, a cobrança de valores diferentes para trajetos iguais, a recusa de serviços com trajetos curtos, condução perigosa e uso de linguagem e conduta imprópria são os principais motivos das queixas.

A PSP, por sua vez, revelou ter recebido queixas contra taxistas por cobrança de valores elevados, mas não as quantificou.

No entanto, recebeu em Lisboa 161 participações em 2015 e 30 até 25 de fevereiro de 2016, de "supostos taxistas ou cidadãos interessados", contra o serviço prestado pelos condutores da Uber.

A PSP tem ainda o registo de 22 denúncias em 2015 e seis em 2016, por ameaças e agressões a condutores e danos em veículos da Uber.

No Porto, foram recebidas até abril 10 participações, também "de supostos taxistas ou cidadãos interessados", relativas ao serviço prestado pelos condutores parceiros da Uber; seis de parceiros da Uber por danos; duas por agressão e uma por ameaças.

Contactada pela agência Lusa, fonte da Procuradoria-Geral da República disse que o organismo recebeu "uma exposição de um responsável da Uber em que este demonstra preocupação com casos de violência ocorridos no Porto".

A exposição foi remetida à Procuradoria-Geral Distrital do Porto, onde já existem vários inquéritos relacionados com a matéria.

Quanto à Uber, a Lusa apenas encontrou clientes menos satisfeitos nas páginas de facebook e de Twitter da empresa, nas quais surgem comentários.

"UberPortugal: a pior experiência foi hoje. Desde quando a Uber cancela uma viagem? Muito desiludida", escreveu uma turista.

Um cliente português disse ao serviço privado que os seus motoristas estão "com menos aptidão para o serem, não sabem seguir instruções e já parecem taxistas ao meterem-se no trânsito de propósito, não seguindo as indicações dadas".

O trajeto escolhido foi também o motivo de queixa de um outro utente, segundo o qual o motorista ignorou o caminho sugerido pela aplicação da Uber, seguindo por outro menos direto e rápido: "Vai ser a primeira vez que dou uma classificação inferior a cinco estrelas", acrescentou.

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado