O Jogo ao Vivo

Estarreja

Consultas, emprego e comida para heróis da A1

Consultas, emprego e comida para heróis da A1

História divulgada pelo JN comoveu milhares de pessoas e as ofertas para Lucinda e Paulo estão a chegar até de fora do país.

Em dois dias, a vida de Lucinda Borges e de Paulo Pereira levou uma reviravolta. Não mudou por completo, é certo, mas encheu-se de esperança e de alegria, coisas nas quais o casal, residente em Avanca, Estarreja, já não acreditava. Depois de, em agosto, ambos terem distribuído mais de 1000 litros de água, na A1, aos condutores retidos no trânsito devido a um incêndio, agora o casal passa o maior tormento da sua vida, com dificuldades financeiras e Lucinda doente. Mas desde que o JN deu a notícia, anteontem, o telefone não parou. Comida, dinheiro, ofertas de emprego e até consultas médicas. Toda a ajuda está a chegar ao casal, de vários pontos do país e até do estrangeiro.

"Nunca pensei..."

Lucinda, de 34 anos, mistura o sorriso com as lágrimas. Ela, que "é raro chorar", diz estar mais sensível que nunca. E tudo devido à onda de solidariedade para combater as dificuldades pelas quais passa, juntamente com o marido, Paulo, de 44 anos, e com a filha, de 15. "Nunca pensei que existisse tanta gente tão boa. Sensibiliza-me não só o que nos estão a oferecer, mas principalmente as palavras de conforto, de carinho e de força. Parece que até fiquei com um bocadinho mais de saúde", garante Lucinda, que ainda procura um diagnóstico concreto para os problemas do foro cardíaco e oncológico.

A cozinha da habitação, onde, no Natal, jantaram sozinhos, sem sequer terem tido dinheiro para comprar bacalhau, estava esta segunda-feira recheada de bens alimentares.

Várias pessoas deslocaram-se a casa do casal para, em mãos, lhes entregar comida e até dinheiro. Pelo telefone, centenas de outras promessas de envios. "É bom olhar e ver que temos o que comer, o que dar à nossa filha", sublinha Lucinda, que deixou a adolescente passar a quadra natalícia em casa de amigos, para não ter de enfrentar a realidade que os pais estão a passar.

Até do Camboja chegou ajuda

"Já nos contactaram várias pessoas a oferecer-me emprego. Até do Camboja, uns portugueses que nos ofereciam emprego lá aos dois. Estamos a estudar todas as situações, porque há questões fiscais que ainda tenho pendentes. Mas não há palavras para agradecer o que estão a fazer por nós", adianta Paulo, emocionado.

Para já, a prioridade é tratar da saúde de Lucinda. "Ofereceram-nos consultas no Porto e em Coimbra, em clínicas privadas. Quero ver se já esta semana a levo lá", adianta o marido.

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado