Elvas

Levava a mulher em carro de mão a receber reforma

Levava a mulher em carro de mão a receber reforma

Há vários meses que era assim, mas, na quarta-feira, finalmente foi revelada e resolvida a situação de uma mulher, de 76 anos, com grande dificuldade de locomoção, que era transportada pelo companheiro, de 59 anos, num carrinho de mão, para levantar a reforma todos os meses.


O caso foi denunciado, ontem, pela Rádio Elvas, depois de diversos populares junto ao Estádio Municipal de Atletismo terem alertado os jornalistas da emissora local para a situação.

O casal reside nas Alpedreiras de Cima, junto ao Bairro das Pias, na EN4 na ligação a Badajoz, a cerca de 2,5 quilómetros do Centro Histórico de Elvas, onde se deslocam todos os meses para levantar a reforma, em carrinho de mão, já que não têm dinheiro para andar de transportes públicos.

Depois de levantar a reforma, o casal vai à farmácia, onde adquire os medicamentos de que necessita para todo o mês, e depois para casa. Ouvido pela rádio, o homem referiu que o estado da companheira "agravou-se nos últimos tempos e as complicações para andar são muitas". Apesar das dificuldades, afirma que não "passam fome, mas "se tivesse ajuda seria menos complicado".

Dado o alerta pela rádio, a PSP deslocou-se ao local e fez as primeiras diligências, que surtiram outro efeito depois de Nuno Mocinha, o presidente da Câmara de Elvas, contactado pela estação emissora, fazer deslocar para o local técnicos e uma viatura da Autarquia para transportar o casal. Segundo a Rádio Elvas, a decisão do edil foi tomada depois de "a assistente da Segurança Social se recusar ir ao local".

Fonte da Autarquia referiu que "muitas vezes as situações não chegam ao conhecimento da Câmara. Em situações futuras, o casal pode pedir o auxílio da Câmara que estará disponível para ajudar não só este como outros casais", justificou.

Ontem, face ao alarido que envolveu o caso, a mulher foi transportada a casa numa ambulância dos Bombeiros Voluntários de Elvas. O casal vive numa habitação em situação degradante, sem as mínimas condições de habitabilidade, não tendo familiares na cidade a quem recorrer.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM