Terrorismo

Arábia Saudita terá ligações ao 11 de Setembro

Arábia Saudita terá ligações ao 11 de Setembro

A análise de um relatório secreto desclassificado no último ano pelos EUA mostra uma possível ligação entre os terroristas do 11 de Setembro e diplomatas sauditas.

No dia em que Barack Obama chegou à Arábia Saudita para conversar com o rei Salman sobre a estabilidade da região e terrorismo, o jornal britânico"Times" revelou que Ghassan al-Sharbi, um fabricante de bombas da al-Qaeda e amigo dos terroristas do 11 de Setembro, teria ligações à embaixada saudita nos EUA.

Al-Sharbi teve aulas de voo no Arizona, juntamente com os piratas do ar que levaram a cabo os atentados em Nova Iorque e Washington, mas não fez parte do plano final dos atentados que mataram três mil pessoas em 2001.

Em 2002, foi capturado no Paquistão e está desde então preso em Guantanamo, mas só agora uma informação crítica foi tornado pública, através de um relatório sobre países que poderão estar estado envolvidos nos ataques terroristas. Al-Sharbi tinha enterrado documentos, incluindo a sua licença de voo dentro de um envelope com o selo da embaixada da Arábia Saudita em Washington.

O relatório, conhecido como "Documento 17", foi desclassificado no último ano sem que ninguém se apercebesse, mas um ativista salientou agora a sua existência e problematizou a questão ao jornal britânico.

"O envelope aponta para a questão fundamental que nos apoquenta hoje: até que ponto o o plano dos 11 de Setembro foi permitido por responsáveis ao mais alto do governo saudita?", questiona Brian McGlinchey.

A revelação surge numa altura em que os EUA se encontram divididos sobre a possível divulgação de um documento com 28 páginas, que poderá provar o envolvimento do reino rico em petróleo nos ataques terroristas mais mortíferos de sempre em território norte-americano.

O relatório pode ser lido pelos congressistas, mas apenas com supervisão para garantir que não tomam notas, mas quem já o leu garante que é um reescrever da história. "Tive de parar a cada par de páginas, para reorganizar o meu entendimento da história", garantiu um congressista republicano.

A Arábia Saudita já avisou também que se o governo de Obama permitisse que as famílias das vítimas processassem o país, existiriam consequências. Recorde-se que a Arábia Saudita tem 750 mil milhões de dólares em obrigações do Tesouro norte-americano e outros bens nos EUA.

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado