O Jogo ao Vivo

França

Salário do cabeleireiro de Hollande gera polémica

Salário do cabeleireiro de Hollande gera polémica

O jornal satírico francês "Le Canard Enchaîné" revelou na edição desta quarta-feira que o cabeleireiro do presidente, François Hollande, tem um salário mensal bruto de 9895 euros.

Mantendo o habitual tom satírico das suas reportagens, o semanário indica que "o trabalho de alto risco [do cabeleireiro] lhe valeu um contrato de cinco anos com o Eliseu, a partir de 2012", publicando uma imagem de parte do contrato de trabalho.

"O contrato estipula que Olivier B. é 'recrutado enquanto agente contratual' durante o mandato presidencial em curso'. O seu contrato a termo de cinco anos vale uma remuneração bruta acumulada de 593.700 euros", descreve o jornal.

O "Le Canard Enchaîné" revela também que o cabeleireiro "se compromete a observar, durante e após a expiração do contrato, o segredo mais absoluto sobre os trabalhos que tenha feito ou as informações que tenha recolhido", o que leva o jornal satírico a questionar se o "segredo capilar" do presidente são "as extensões milagrosas", "a cartografia da guedelha ou a risca presidencial".

"O 'brushing' presidencial não tem preço. Cortar e pentear as três madeixas do presidente, lavá-las, pintá-las, penteá-las e voltar a pintá-las é um trabalho sério. Um atleta do pente e do pincel é o responsável, trabalhando na sombra desde o início do mandato e seguindo François Hollande em todas as viagens oficiais", escreve o jornalista, mantendo a ironia ao longo de todo o artigo.

O jornal indica que o Eliseu confirmou a notícia, justificando que "Olivier B. começa muito cedo o dia de trabalho, com uma grande amplitude horária: penteia o presidente todas as manhãs e tantas vezes quanto necessário, a cada discurso público, incluindo nos fins de semana se um evento está previsto".

As reações não tardaram na internet, com o deputado Rudy Salles, do partido de direita Os Republicanos, a questionar a "República irrepreensível" defendida por Hollande em 2012 e o deputado de extrema-direita Gilbert Collard a utilizar a expressão "a esquerda dos rolos no cabelo".

No Twitter, a notícia foi partilhada quase 800 vezes e há quem retome uma antiga reportagem da revista "Vanity Fair" segundo a qual o ex-presidente, Nicolas Sarkozy, tinha contratado uma maquilhadora por um salário de 8 mil euros por mês.

Os comentários dos internautas variam, havendo quem calcule um "salário diário de 325 euros", quem escreva que "os que dão graxa ganham mais" e quem sugira "eleger um careca em 2017" [em referência ao pré-candidato do partido Les Républicains Alain Juppé].

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado