Partidos

Assis critica "muro" entre esquerda e direita e defende "entendimentos"

Assis critica "muro" entre esquerda e direita e defende "entendimentos"

O eurodeputado socialista Francisco Assis criticou esta sexta-feira, em Famalicão, que se "procure estabelecer uma espécie de muro entre a esquerda e a direita" em Portugal e defendeu a necessidade de promover "entendimentos".

Francisco Assis, que falava na apresentação da obra "Pela Nossa Terra - Minho 2017" do deputado do PSD ao Parlamento Europeu José Manuel Fernandes, começou por afirmar, quando se referia ao autor do livro como um "defensor do projeto europeu", que vai começar "uma fase difícil porque em todo o lado o sentimento antieuropeu está a crescer", não sendo Portugal uma exceção.

"Está a crescer à esquerda e à direita. Não deixo de reparar que há alguma direita em Portugal que não esconde alguma alegria com o 'Brexit' e com a vitória do Trump. E à esquerda, toda a gente sabe que o Bloco de Esquerda e o PCP têm um discurso antieuropeu", apontou.

Assis recordou que os partidos que, à esquerda, acompanham o PS de António Costa numa maioria parlamentar "rejeitam o euro, rejeitam qualquer avanço na união monetária, rejeitam qualquer avanço em matéria de política de segurança e de defesa".

"Mas há um centro político que está na base do projeto europeu. Apesar de ligações à direita ou à esquerda, há pontos que temos comuns e não podemos desvalorizar porque vamos precisar deles. Na Europa vamos ter necessidade de voltar a falar uns com os outros: o centro-esquerda e o centro-direita têm necessidade de falar um com o outro", referiu Francisco Assis.

A este propósito, o eurodeputado frisou que no Parlamento Europeu fala-se, garantindo "não ter dúvidas" de que em Portugal também vai ser necessário falar.

"Tenho a noção de que em Portugal não podemos operar um corte radical como se estivéssemos a falar de mundos completamente diferentes, como se existisse uma espécie de muro. Hoje, alguns justificam a coligação que está no poder dizendo que não fazia sentido que não houvesse diálogos à esquerda depois da queda do muro de Berlim. Até posso compreender que assim seja mas não posso aceitar que no dia seguinte se procure estabelecer uma espécie de muro entre a esquerda e a direita em Portugal", disse.

"Nós temos de falar uns com os outros e temos muitas vezes de promover entendimentos", concluiu o eurodeputado socialista.

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado