Debate quinzenal

Cristas quer Metro de Lisboa com 20 novas estações

Cristas quer Metro de Lisboa com 20 novas estações

A líder do CDS desafiou, esta quarta-feira, o Governo a avançar com um plano de construção de 20 novas estações no metropolitano de Lisboa. Para Assunção Cristas, o alargamento deveria incluir Belém, Loures e Sacavém.

No debate quinzenal, a líder centrista defendeu que "ou há rasgo, horizonte e ambição para o Metro de Lisboa ou os problemas [de mobilidade e transportes] da cidade de Lisboa não se vão resolver".

Mostrando um quadro com o que propõe, Cristas disse que em causa está um plano "ambicioso mas realista" de extensão deste meio de transporte. "Haja vontade" do Governo para avançar nesse sentido, disse, pedindo que tais propostas sejam "estudadas, planeadas, financiadas e tratadas".

Em resposta, António Costa começou por aludir ao facto de Cristas ser candidata à Câmara de Lisboa: "Não achei muito leal aproveitar a ausência da deputada Teresa Leal Coelho [também candidata à mesma Câmara, pelo PSD] para esse momento de campanha eleitoral".

E depois colocou uma questão, para a qual deu a resposta. "100 milhões. Sabe o que são? 100 milhões são o número de passageiros que o Metro e a Carris perderam na cidade de Lisboa quando foi ministra. Como bem se recorda, não era só ministra da Agricultura e do Mar. Em grande parte do seu mandato foi também ministra das cidades", lembrou o primeiro-ministro, que garantiu que só avançarão novas infraestruturas públicas caso tenham "o financiamento no quadro 2020". "Se não, não passa de um bonito quadro para apresentar no plenário da Assembleia da República", atirou.

Costa disse ainda que haja "consenso partidário de dois terços" quando o Governo apresentar o plano de investimentos em infraestruturas, para se "parar com a situação lamentável em que a maioria que chega altera os planos de obras públicas".

O plano apresentado por Cristas no plenário desta quarta-feira não é muito diferente do apresentado pela então secretária de Estado, Ana Paula Vitorino, atual ministra do Mar, em 2009, quando o Governo de José Sócrates prometeu a construção de 29 novos quilómetros do metropolitano até 2020. O investimento estava estimado em 2,5 mil milhões de euros e previa, entre outras, uma estação no Hospital Amadora-Sintra.

Aquelas promessas não saíram do papel. E desde então pouco se alterou, com o metro a tocar timidamente apenas dois concelhos vizinhos [Amadora e Odivelas] e a concentrar-se dentro de Lisboa. Mesmo a estação de Moscavide, apesar de levar o nome da ex-freguesia do concelho de Loures, tem as suas entradas para as plataformas na freguesia dos Olivais (Lisboa).

O Governo anunciou, entretanto, a intenção de se avançar com a construção de duas novas estações, Estrela e Santos, o que levará ao fecho da Linha Verde no Cais do Sodré e a manter-se a concentração do metropolitano na capital.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM