Nacional

"Esganiçadas" levam Arroja a tribunal

"Esganiçadas" levam Arroja a tribunal

As deputadas do Bloco de Esquerda Catarina Martins, Mariana e Joana Mortágua, Isabel Pires e Sandra Cunha vão ser ouvidas pela Justiça no âmbito de uma queixa feita pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género contra o economista Pedro Arroja, que as apelidou de "esganiçadas".

O comentário foi feito há cinco meses, no Porto Canal, tendo originado agora um inquérito aberto pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto.

Àquele grupo de bloquistas - no qual não está incluída Domicília Costa, deputada de 70 anos, eleita pelo Porto - junta-se também a eurodeputada Marisa Matias, todas arroladas pela Justiça para depor como testemunhas neste inquérito. Sobre estas dirigentes do Bloco de Esquerda, Arroja disse que "não queria nenhuma daquelas mulheres, nem dada", entre outras considerações. As declarações foram proferidas a 9 de novembro de 2015 e provocaram enorme polémica. Mas, em entrevistas posteriores, o comentador viria a repetir o mesmo tom jocoso.

Segundo a procuradora responsável pelo inquérito, Diana Ribeiro Gama, em causa poderá estar a prática do crime de discriminação sexual, previsto no Código Penal, que corresponde a uma pena de prisão que vai dos seis meses a cinco anos.

Ao JN, Mariana Mortágua admitiu que este processo pode servir de exemplo "em casos semelhantes". "A decisão não foi nossa. Foi a CIG que encontrou fundamentos para fazer a queixa. Facto que demonstra que essa instituição está atenta e que dá consequência a declarações que, de alguma forma, põem em causa a igualdade de género que existe no país", disse, ontem, após o Parlamento autorizar, por unanimidade, que as deputadas prestem declarações por escrito.

A CIG fez chegar a queixa contra Pedro Arroja no DIAP do Porto, no dia 4 de janeiro deste ano.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM