Relações Internacionais

PCP solidário com regime venezuelano face a "ingerência"

PCP solidário com regime venezuelano face a "ingerência"

Os dirigentes do PCP reiteraram o apoio do partido português ao regime venezuelano, denunciando aquilo que consideram ser uma "criminosa campanha de ingerência e de desestabilização do imperialismo e das forças da reação interna".

"O PCP reafirma a solidariedade com a Revolução Bolivariana e o povo venezuelano" e mostra-se contra os ataques à "soberania e independência da República Bolivariana da Venezuela", lê-se em comunicado.

Os comunistas portugueses condenam as "ameaças de intervenção militar do comando sul norte-americano, a manutenção pela Administração dos Estados Unidos da inaceitável ordem executiva de 2015 que considera a Venezuela uma 'ameaça incomum e extraordinária' e a "ingerência da OEA e do seu secretário-geral, Luis Almagro, procurando promover a ingerência externa".

A Organização de Estados Americanos (OEA) condenou hoje a decisão do Governo venezuelano de entregar armas aos civis e pediu a Caracas que proteja o direito dos venezuelanos a defender a democracia e liberdade.

A oposição venezuelana anunciou para hoje uma grande manifestação de protesto, no mesmo dia em que o governo prometeu uma "marcha histórica", para assinalar o 207.º aniversário da revolução de 1810, que levou à independência do país.

A intenção dos opositores do Presidente Nicolas Maduro é realizar a "mãe de todas as marchas", em todos os 24 estados do país.

Os protestos são contra a alegada rutura constitucional e contra duas sentenças em que o Supremo Tribunal de Justiça limita a imunidade parlamentar e assume as funções do parlamento, onde a oposição detém a maioria.

Antecipando o protesto dos opositores, o Presidente ordenou às Forças Armadas Bolivarianas (FAB) que se dispersem por todo o país e anunciou que aprovou um plano para aumentar para 500 mil os membros da Milícia Bolivariana que, armados, serão enviados "em defesa da moral, da honra, do compromisso com a pátria".

Em paralelo, o governo anunciou uma "marcha histórica" hoje, em Caracas, para assinalar o 207.º aniversário da revolução de 1810, que levou à independência do país.

Desde o início de abril, uma onda de manifestações foi marcada por violentos confrontos com a polícia que fizeram pelo menos seis mortos e centenas de feridos.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado