Francisco Seixas da Costa

A América e nós

Um dia, em perspetiva, vai ser possível olharmos com alguma calma para o furacão que nos dias de hoje atravessa a América política, por virtude das consequências da eleição de Donald Trump. Espero que, evitada que tenha sido alguma tragédia, possamos divertir-nos com as histórias, então já conhecidas, dos bastidores dessa peça política que esteve em cena em Washington. Por ora, limitamo-nos a abrir as televisões ou os jornais com a garantia de um permanente "happening", uma sucessão endémica de eventos que, por virtude do comportamento errático do homem mais poderoso do Mundo, abalam as instituições do seu país, com efeitos colaterais nos restantes. E não sabemos onde e como parará.

Francisco Seixas da Costa

Dilemas

Há uns anos, quando era embaixador em Paris, fui convidado a estar presente num determinado evento que reunia portugueses emigrados em diversos países do Mundo. Fui falando com vários, inquirindo do modo como as nossas comunidades se integravam nessas sociedades, quais os seus principais problemas e, muito em especial, procurando recolher opiniões sobre o tipo de políticas públicas, por parte de Portugal, que entendiam por mais adequadas à promoção dos seus interesses. Tinha curiosidade em saber como avaliavam a qualidade da nossa rede consular, num tempo em que as mudanças na natureza da diáspora e a presença da União Europeia na área da proteção consular iriam necessariamente alterar alguns dos parâmetros tradicionais da nossa ação externa.

Francisco Seixas da Costa

Exemplaridade cívica

Somos cidadãos de um país em que o quotidiano político-mediático, hoje "democratizado" pelas redes sociais, vive numa quase completa relativização dos valores, em permanente suspeição sobre tudo e sobre todos. Quase não há mérito que sobreviva ao "innuendo" recorrente, que, no fundo, mais não é do que uma forma pouco sofisticada de despeito e inveja. O destaque e o sucesso incomodam, estimulando as mais doentias teorias conspirativas. Estranhamente, isso parece trazer, nos dias que correm, um conforto igualitário à sociedade.

Francisco Seixas da Costa

Do senso comum ao inimigo imaginário

Começo por um "disclaimer": não percebo rigorosamente nada de prevenção florestal, nem de combate a incêndios, não sei se se deve favorecer ou rejeitar o eucalipto, não tenho a menor ideia sobre o que será mais correto fazer para o futuro - salvo o óbvio, que é achar que há interesse em encontrar uma maneira de ter as matas mais limpas e organizadas (mas também não sei como e por que meios), haja em vista os verões cada vez mais quentes que aí virão. Neste tipo de questões, entrego-me confiadamente nas mãos de quem sabe, de quem estuda estes temas, de quem trabalha no terreno, de quem gere o país. E, perante os factos ocorridos, aguardo serenamente as conclusões que deles devem ser extraídas.

A não perder