JN
Diretor Interino
Alfredo Leite

FERRAMENTAS
ESTATÍSTICAS
Patrocínio

Novas fontes de energia

Publicado

 

Adependência energética é, cada vez mais, um problema para as sociedades desenvolvidas e em desenvolvimento. Sobretudo no que respeita aos combustíveis fósseis, crude em particular, pelas limitações quantitativas das suas fontes produtoras e pela dimensão política estratégica que assumem, ao serviço de poderes e ideologias dos seus detentores. Estamos na crista do vulcão de uma crise energética, muito derivada da maior procura por parte de países em desenvolvimento, China e Índia em especial, e das perturbações bélicas e político-sociais nas zonas de produção, para além da débil resposta alternativa por parte de outras fontes de substituição.

Assim sendo, temos um modelo social e produtivo assente no grande consumo de energia, produzida pela via do nosso petróleo ou do gás, da indústria, aos transportes e aos consumos domésticos, o custo destes a subir nos mercados internacionais, pelas razões estruturais dadas e outras mais fluidas, e as governações sem estratégias alternativas capazes de travar, no curto ou médio prazo, esta derrapagem incontrolável.

Como contrariar esta lógica, seja em processo de contenção de curto prazo ou alternativo de médio e longo prazo, eis a questão crucial que o Mundo tem pela frente e este pequeno país, débil e dependente, de nome Portugal, precisa de resolver.

Dizer que é uma questão de sobrevivência é um lugar comum e, de certo modo, demasiado, porque a nossa sobrevivência como Nação, não depende, em exclusivo, das incidências de tal crise mundial, embora seja por esta penalizado mais que outros parceiros da mesma Comunidade Europeia.

O Governo parece querer avançar, tarde, mas vale mais isto que nunca, com alternativas limpas, do sol e do vento e complementar da biomassa. São soluções em que outros, pequenos como nós mas mais desenvolvidos, já levam larga dianteira, a Dinamarca por exemplo, mas onde temos hipóteses de recuperar depressa, pois sol e vento não nos faltam, basta que os saibamos administrar com senso e inteligência. O mesmo acontece com a biomassa, pois fica imensamente mais económico limpar e racionalizar matas e florestas, do que investir em aviões e helicópteros e carros de bombeiros para apagar os fogos daí derivados.

Ler Artigo Completo (Pág.1/2) Página seguinte
 
 










Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente Uva d'Ouro - JN 300x100
BT Edições Multimédia

Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 

Futebol

Vídeos da Liga
Liga Zon Sagres
Classificação
Resultados
Próxima Jornada
1 - Rio Ave (10)
2 - V. Guimarães (10)
3 - Benfica (10)
4 - FC Porto (10)
5 - Marítimo (9)
6 - Sp. Braga (7)
7 - Belenenses (7)
8 - Sporting (6)
9 - Moreirense (5)
10 - Arouca (4)
11 - P. Ferreira (4)
12 - Estoril (4)
13 - V. Setúbal (4)
14 - Nacional (3)
15 - Boavista (3)
16 - Académica (2)
17 - Gil Vicente (1)
18 - Penafiel (0)

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 22ºC
  • 17ºC
  • HOJE
  • 22ºC
  • 18ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled