politica

Cravinho diz que scut se pagam a si próprias

Cravinho diz que scut se pagam a si próprias

Odeputado socialista João Cravinho apresentou ontem um estudo da autoria de Mourão Pereira e Jorge Andraz, segundo o qual as scut, além de se "pagarem a si próprias em termos orçamentais", têm "efeitos positivos" no investimento privado, no emprego, no produto e na arrecadação de receitas fiscais nas regiões que atravessam e nas restantes. E, apesar de não ter nenhuma via neste regime, a região de Lisboa e Vale do Tejo é das que mais beneficia.

De acordo com o estudo, que segundo João Cravinho será brevemente submetido à discussão pública, o conjunto das scut tem um efeito positivo sobre o investimento privado de cerca de 23 mil milhões de euros (a preços de 1999). Deste total, é a região de Lisboa e Vale do Tejo que beneficia com a fatia de leão (9,6 mil milhões de euros ou 40%) do investimento induzido por estas auto-estradas sem custo para o utilizador. Para o Norte, o efeito positivo cifra-se em seis mil milhões; no Centro está avaliado em 3,8 mil milhões, enquanto no Alentejo e no Algarve atinge 1,9 mil e 1,4 mil milhões, respectivamente.

Com este dados, o deputado do PS e ex-ministro das Obras públicas de Guterres, procurou desmontar os argumentos da Oposição, especialmente do PSD e do CDS-PP, de que o Governo está a aumentar os impostos a todos os portugueses, quando poderia diminuir despesas nas scut, se introduzisse portagens. Em contra-ataque, Cravinho evidenciou ainda que o que custa caro ao país é a operação de titularização de créditos fiscais realizada por Manuela Ferreira Leite.

Depois de criticar o PSD e o CDS por não terem avançado com nenhum projecto que pusesse em marcha a instalação de portagens nestas vias, o deputado socialista concluiu mesmo que as scut "dão lucro ao Orçamento", pois os seus efeitos sobre o produto são 6,6 vezes superiores aos encargos financeiros do Estado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG