O Jogo ao Vivo

ultima

"Hoje não se faz política por carolice"

"Hoje não se faz política por carolice"

Mário Brochado Coelho, 66 anos, diz que as glórias lhe preenchem dois dias e que as derrotas lhe duram para sempre. Há dias agraciado pelo presidente da República com a Ordem da Liberdade, saboreia a distinção sem deslumbramento, apegado a um charuto pachorrento e às imensas memórias de uma vida entre lutas, grandes causas e paixões irresistíveis, como aquela que o levou a abandonar o escritório para se dedicar ao SAAL/Norte, de 1974 e 1976.

A política atrai-o ainda, embora a partir de 1981 "tivesse chegado à conclusão de que era advogado". Até aí , o seu nome esteve ligado ao movimento anti-colonial, à defesa dos presos políticos, à fundação da Cooperativa Afrontamento (1966) - com António Leite de Castro, Francisco Sá Carneiro, Maria Helena Silva, António Taborda e outros -, ao nascimento de "O Tempo e o modo" (1963) e às incidências do pós-25 de Abril, como dirigente da UDP. "Não me arrependo de nada do que fiz; encontrei gente muito boa em todo o lado. Depois, a política transformou-se num espectáculo onde se alojam demasiados interesses. O tempo da carolice acabou". Como exemplo de desapego pelos cargos, recorda o irmão, Fernando Brochado Coelho, já falecido, que foi dirigente distrital e nacional do PSD. "Nunca aceitou lugares, esteve na política pela política, embora com opções muito diferentes das minhas.".

Mário e Fernando partilharam o escritório e mantiveram sempre uma relação muito estreita, que surpreendia. "Unia-nos uma profunda amizade, apesar dos equívocos que aconteciam lá pelo escritório quando telefonavam dirigentes do PSD. Lembro-me de algumas vezes ter atendido o dr. Balsemão e de lhe dizer olhe que eu não sou ele, sou o outro...". O caso do assassínio do padre Max, que demorou 20 anos a ser julgado, é uma marca da extrema combatividade de Mário Brochado Coelho, um homem de olhar sereno e palavras tranquilas, agora mais longe do deputado municipal impetuoso e vibrante que, sobretudo, a cidade do Porto não vai nem pode esquecer.

Mário Brochado Coelho

Advogado

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG