Prémio Camões

"Estamos em festa, pá" pela distinção "unânime" a Chico Buarque

"Estamos em festa, pá" pela distinção "unânime" a Chico Buarque

O Presidente português felicitou, esta quarta-feira, o músico e escritor brasileiro Chico Buarque, vencedor do Prémio Camões 2019, defendendo que "só pode ser unânime" esta distinção da sua obra como romancista, dramaturgo, mas também como escritor de canções.

Numa nota publicada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa considera que, ao premiar Chico Buarque, o júri do Prémio Camões reconheceu "naturalmente também o extraordinário escritor de canções, um dos maiores da língua portuguesa".

Esta decisão vem "na continuidade de uma marcante decisão da Academia Sueca" de atribuir o Nobel da Literatura ao músico norte-americano Bob Dylan, dando "à canção, género ancestralmente ligado à poesia, um estatuto de dignidade literária", refere o chefe de Estado.

"Premiar 'letristas' pode ser sujeito a discussão, mas premiar Chico Buarque só pode ser unânime, porque, tal como Bob Dylan para a língua inglesa, as canções de Chico traduzem um profundo conhecimento da tradição poética e um alargamento das fronteiras da linguagem musicada, trazendo um grau de sofisticação inédito à música que se diz, e bem, popular", defende Marcelo Rebelo de Sousa.

"Estamos em festa, pá", diz Costa

O primeiro-ministro português, António Costa, enalteceu também a escolha por ser "o maior reconhecimento da literatura em língua portuguesa". "Saiba que estamos em festa, pá", afirmou António Costa na rede social Twitter, descrevendo Chico Buarque como "o poema de sambas e canções" que os portugueses sabem de cor, "romancista que reserva à linguagem a sua maior atenção".

"Junto-me à alegria de ver Chico Buarque ganhar o Prémio Camões 2019", escreveu o primeiro-ministro português.

Graça Fonseca felicita Buarque

A ministra portuguesa da Cultura, Graça Fonseca,

"Chico Buarque é o vencedor do Prémio Camões 2019. A decisão foi tomada esta tarde pelo júri da 31.ª edição do prémio, no Rio de Janeiro. Esta é a distinção de maior prestígio da Língua Portuguesa. Parabéns!", publicou a ministra na sua página pessoal da rede social Twitter.

Chico Buarque fora já distinguido duas vezes com o prémio Jabuti, o mais importante prémio literário no Brasil, pelo romance "Leite Derramado", em 2010, obra com que também venceu o antigo Prémio Portugal Telecom de Literatura, e por "Budapeste", em 2006.

Manuel Alegre felicita vencedor

O escritor Manuel Alegre afirmou que o músico Chico Buarque tem contribuído para a difusão da língua e da cultura portuguesas, considerando-o das pessoas mais conhecidas no mundo artístico da língua portuguesa.

Ele tem qualidade como artista, como compositor, como cantor, mas, sobretudo, como autor com características variadas múltiplas, todas elas ricas e enriquecedoras da língua portuguesa e da difusão da língua portuguesa. É provavelmente uma das pessoas mais conhecidas hoje no mundo artístico de língua portuguesa", disse Manuel Alegre, em declarações à agência Lusa.

O poeta português, vencedor do Prémio Camões 2017, deu os parabéns a Chico Buarque e mostrou-se "muito satisfeito" por o músico brasileiro receber o Prémio Camões 2019, acrescentando que este, "de muitas formas, tem contribuído para a difusão da língua e da cultura portuguesa: como músico, como poeta, como autor teatral e como romancista".

As canções de Chico Buarque fazem literatura - Germano Almeida

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida, vencedor do Prémio Camões em 2018, destacou hoje a singularidade das canções de Chico Buarque, que "fazem literatura", e disse que a sua escolha para a edição deste ano não desmerece o galardão.

"Chico Buarque é um músico, mas muito particular. A sua música tem mensagem, tem poesia. Não é um cantor vulgar", disse à agência Lusa, por quem soube da atribuição do Prémio Camões ao músico e escritor brasileiro, hoje conhecida.

Germano Almeida conhece as músicas de Chico Buarque e leu vários dos seus livros.