Prémio

Esta é a fotografia do ano da World Press Photo

Esta é a fotografia do ano da World Press Photo

"Crying Girl on the Border", ou "rapariga que chora na fronteira", em português, é o nome da fotografia do ano, eleita esta quinta-feira na cerimónia da World Press Photo, em Amesterdão. Foi captada pelo fotojornalista John Moore.

A imagem, captada no dia 12 de junho de 2018, mostra uma menina hondurenha de dois anos a chorar enquanto a mãe é revistada e detida perto da fronteira entre os EUA e o México, em McAllen, no estado norte-americano do Texas.

Mãe e filha atravessaram o rio Grande a partir do México e foram detidas por agentes da Patrulha Fronteiriça dos EUA, antes de serem enviadas para um centro de detenção. Na semana seguinte, a administração Trump, sob pressão do público e dos legisladores, acabou com a política de separar as crianças imigrantes dos pais na fronteira dos EUA com o México.

Embora a criança e a mãe permanecessem juntas, elas foram enviadas para vários centros de detenção antes de serem libertadas semanas depois, aguardando uma futura audiência de asilo.

A imagem, que foi capa da revista Time, valeu ao fotógrafo norte-americano um prémio de 10 mil euros. Para John Moore, a "imagem tocou os corações de muitas pessoas", como o seu, porque "humaniza uma história maior".

Segundo um dos membros do júri da competição, a fotojornalista brasileira Alice Martins, a fotografia de Moore mostra "uma violência diferente, que é psicológica". Ao World Press Photo 2019 concorreram 78.801 trabalhos de 4738 fotógrafos.

John Moore é correspondente da Getty Images desde 2005 e trabalhou em dezenas de países. Dedica-se há cerca de uma década a acompanhar os imigrantes da América Latina e da América Central que tentam entrar nos EUA pela fronteira com o México.

Português Mário Cruz em terceiro lugar na categoria Ambiente

O fotojornalista português Mário Cruz ficou em terceiro lugar na categoria Ambiente, em imagem 'single', no World Press Photo 2019, com a fotografia de uma criança num colchão rodeado de lixo, a flutuar num rio filipino.

A imagem premiada de Mário Cruz mostra uma criança a recolher materiais recicláveis, para obter algum tipo de rendimento que lhe permita ajudar a família, deitada num colchão rodeado de lixo, que flutua no rio Pasig, que já foi declarado biologicamente morto na década de 1990.