Música

Os Beatles acabaram há 50 anos, a "beatlemania" não

Os Beatles acabaram há 50 anos, a "beatlemania" não

A mais influente banda de rock de todos os tempos anunciou a separação há meio século, para choque dos seus milhões de fãs. Legado permanece intacto e extravasa o campo musical

Inúmeros acontecimentos históricos tiveram lugar, através dos tempos, no dia 10 de abril. Da emboscada de que foi vítima Emílio Zapata, líder da Revolução Zapata, em 1919, à assinatura do Acordo de Belfast, quase oito décadas depois, que permitiu pôr fim ao conflito armado na Irlanda do Norte. Mas, para milhões e milhões de pessoas em todo o Mundo, o dia é sobretudo sinónimo de um acontecimento nefasto: o dia em que terminou a mais popular banda do planeta.

Foi Paul McCartney quem anunciou, em plena ocasião de lançamento do seu primeiro álbum a solo, a sua saída do grupo. Os restantes membros não tardaram a confirmar a dissolução, iniciando-se uma disputa legal severa em torno dos direitos autorais de cada um dos elementos que se prolongaria por anos a fio.

O choque geral que se seguiu, com reações acaloradas de fãs de todas as paragens, ocultou o essencial: a banda já terminara efetivamente em agosto do ano anterior, no final das gravações de "Let it be". A relação entre os integrantes do quarteto já se deteriorara de forma irremediável, chegando ao ponto de lançarem acusações entre si através das letras das canções.

No centro da disputa surda estavam sobretudo John Lennon e Paul McCartney, as duas metades criativas mais poderosas do grupo. A disputa de egos foi uma das razões que precipitou o fim mas não o único. A saturação em torno da histeria coletiva que o grupo suscitava (a famosa 'beatlemania'), a morte do manager Brian Epstein três anos anos, a influência excessiva de Yoko Ono sobre John Lennon e a dependência da heroina deste foram alguns dos motivos que precipataram o fim.

Apesar de ter sido McCartney a arcar com as responsabilidades do fim (no dia seguinte ao anúncio, o"Daily Mirror" anunciava na manchete que Paul tinha despedido os outros elementos do grupo...), as dúvidas sobre os reais motivos da separação permaneceram sempre. Há dois anos, numa entrevista a Howard Stern, McCartney atribuía as culpas por inteiro a John Lennon, acusando-o de ter sido manipulado pela companheira e de ter comunicado aos restantes a sua saída no final das gravações do último disco. Além da importância histórica dessa gravação, há outro dado curioso: foi esse o derradeiro momento em que os "fab four" estiveram reunidos pela primeira vez. Prova evidente das más relações existentes é que, até 1980, ano da morte de Lennon, as únicas vezes em que os quatro mantiveram contacto foi através dos respetivos advogados.

Revolucionários não só na música

O tempo não fez diminuir a importância dos Beatles. Volvidos 50 anos sobre a separação - e 60 anos sobre a formação -, afigura-se hoje cada vez mais evidente a grandeza da sua música, hoje estudada e analisada sob os mais variados prismas, até académicos.

Mas a sua marca atravessa inúmeros planos. No turismo, por exemplo, os Beatles converteram-se na principal atração turística de Liverpool (uma das poucas, aliás...). Todos os anos, centenas de milhares de fãs oriundos de todas as paragens visitam a fria cidade do noroeste de Inglaterra apenas para calcorrear os lugares de infância de John, Paul, George e Ringo.

No plano empresarial, foram também precursores, ao criarem uma etiqueta discográfica com a qual procuraram emancipar-se em parte do poder excessivo das grandes editoras. O modo como os seus membros conseguiram sempre acautelar a questão financeira mesmo depois do fim do grupo (Paul McCarney é sempre uma presença destacada na lista dos músicos que obtêm mais proveitos anualmente) foi também um exemplo para os seus colegas do meio.

Documentário de Peter Jackson

Em ano de recordações dolorosas para os fãs, há pelo menos uma boa notícia. "The Beatles: Get Back" é o título do documentário realizado por Peter Jackson que revela imagens inéditas sobre o processo de gravação do último disco da banda.

A estreia mundial está agendada para setembro, mas desconhece-se ainda se a data poderá sofrer uma mudança nos próximos meses.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG