Espanha

"Anos a sofrer em silêncio": jogadora transexual forçada a deixar futebol

"Anos a sofrer em silêncio": jogadora transexual forçada a deixar futebol

Valentina Berr afastou-se do desporto aos 29 anos por não aguentar a onda de comentários contra a sua transexualidade e refere ter a saúde mental "desgastada".

São poucos os futebolistas que assumem pertencerem à comunidade LGBTI+, muitos por medo de comentários depreciativos nas redes sociais ou até do próprio público. O último caso vem de Espanha, da segunda futebolista transexual a jogar nas competições espanholas.

Valentina Berr partilhou nas redes sociais que se retirou do futebol à custa da quantidade de comentários de ódio por ser uma mulher transexual, admitindo não aguentar mais a pressão psicológica que sofria. "Quero começar por dizer que não pendurei as botas, tiraram-mas", começou por escrever no Instagram. "Não podia aguentar mais os ataques de pânico e de ansiedade, cada vez mais frequentes, depois de treinos ou jogos. Foram quatro anos a sofrer em silêncio o ódio e violência estrutural contra as mulheres transexuais por parte de instituições e meios de comunicação", acrescentou.

PUB


Berr admitiu ser forçada a abandonar o futebol por questões de saúde mental, visto que não conseguia suportar, psicologicamente, a pressão de ser constantemente suspeita de algo, sobretudo de ter de cumprir um limite de testosterona que, segundo a própria, outras jogadoras podem ultrapassar. "Há centenas de mensagens a insultar-me e a humilhar-me. Dizem que sou um homem que passa por mulher para abusar das colegas no balneário, algo que foi escrito com clara intenção de semear o ódio", escreveu.

Para além das redes sociais, Berr revelou ter sido vítima de agressões na rua e que há pessoas que a consideram "doente". Apesar de ter admitido ser um dia triste, a futebolista explica que tem um sentimento de orgulho com a decisão. "É um orgulho poder colocar o corpo às balas, para que as gerações futuras possam viver com menos dor, obstáculos e violência. Que possam viver o futebol como ele é: futebol", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG