F. C. Porto

Baía e Jorge Costa falam de Conceição e treinador entra em direto no programa

Baía e Jorge Costa falam de Conceição e treinador entra em direto no programa

O programa "F. C. Porto em casa" deste domingo, difundido pelas diversas plataformas de comunicação portistas, teve os antigos capitães Vítor Baía e Jorge Costa como convidados, a dada altura a conversa resvalou para Sérgio Conceição e o treinador entrou no direto e colocou o foco no presidente.

Os antigos guarda-redes e defesa central portistas coincidiram na ideia de que Sérgio Conceição é o responsável pelo sucesso que o F. C. Porto tem tido nos últimos dois anos e meio, não só pela competência que tem como treinador mas também por ser portador da famosa mística do clube azul e branco.

Perante esses elogios, Sérgio Conceição entrou em direto no programa para falar e trouxe Pinto da Costa à conversa: "Quero agradecer palavras do Bicho (Jorge Costa) e do Vítor. Falamos muitas vezes e eu sei que são elogios sinceros e que é isso que eles sentem. A minha cota parte de algum sucesso que tivemos nestes dois anos e meio, que estou no F. C. Porto, é dividida com os jogadores e com a estrutura, mas a pessoa que está acima de tudo e todos é o nosso presidente".

No seguimento, Sérgio Conceição falou das diferenças entre o panorama atual e aquele que todos eles encontraram enquanto jogadores do F. C. Porto, aproveitando a ocasião para elogiar o atual plantel e toda a estrutura do futebol portista.

"Era mais muito mais fácil um treinador chegar ao F. C. Porto e encontrar um balneário onde a sua espinha dorsal era composta por muitos jogadores vindos da formação e conhecedores da realidade do F. C. Porto e daquilo que representava um clube como o nosso. Hoje encontro essa dificuldade de dar a perceber, incutir esse espírito, mas encontro outras facilidades naquilo que é o profissionalismo e a dedicação dos meus jogadores, porque são jogadores absolutamente fantásticos", considerou o treinador portista.

Baía e Jorge Costa também consideraram que Sérgio Conceição, o jogador, era "insuportável, sobretudo quando não jogava". A reação do técnico veio logo de seguida.

"Não escondo aquilo que fui e aquilo sou. Faz parte do meu ADN. Mesmo agora, enquanto treinador, tenho perdido algumas coisas, mas ganho muitas mais. O ter um feitio especial, como dizia o Jorge, tem que ver com a grande competitividade que o Vítor falava, tem a ver com essa frontalidade que eu tenho, tem a ver com o facto de não gostar de injustiças por ser uma pessoa que nasci e cresci dentro de um meio simples, mas de muita honestidade, sinceridade e capacidade de sofrimento e de trabalho muito acima do normal. Continuo a ser assim e tenho muito orgulho nisso. O que os meus ex-colegas e amigos dizem é um selo que eu tenho e tenho muito orgulho nele", reforçou Sérgio Conceição.

À conversa veio ainda o jogo de despedida de Deco, no qual Fernando Santos deixou Sérgio Conceição no banco. Entre muitos sorrisos e verdades, o treinador portista admitiu que não gostou de ter ficado de fora do onze.

"Pois estava chateado. Tive a particularidade de pagar o meu bilhete. Vamos lá ver uma coisa, nestes jogos solidários normalmente emprestamos a nossa imagem e vamos com gosto. Quem está nestes jogos solidários está com todo o gosto e coração, eu também estava, mas em qualquer ação solidária em que participo faço questão de pagar as minhas viagens, assumo as minhas despesas. Vou para um jogo, pago a minha viagem, pago o meu jantar, a minha estadia, pago a minha viagem de regresso a casa e fico no banco? Desculpa lá. O Secretário ao meu lado, dizia-me: "Deixa lá, tu jogas os meus minutos"", contou Sérgio Conceição.

Outras Notícias