Volta a Itália

João Almeida sofre mas segura a camisola rosa

João Almeida sofre mas segura a camisola rosa

O sonho continua vivo. João Almeida resistiu a uma enorme etapa de montanha, de 185 quilómetros até Piancavalo, com três contagens de segunda categoria e uma de primeira, que coincidiu com a meta. O português da Deceuninck-Quick Step foi atacado pela Sunweb, teve de sofrer a bom sofrer, mas segurou a liderança da geral, embora tenha visto a vantagem sobre Wilco Kelderman ficar reduzida a 15 segundos.

Na brutal subida final da 15.ª etapa, Kelderman, segundo da geral, contou com o apoio de dois companheiros de equipa, enquanto João Almeida rapidamente ficou isolado, mas, mesmo assim, o ciclista das Caldas da Rainha viu Pello Bilbao e Vincenzo Nibali descolarem mais cedo.

No entanto, a pouco mais de sete quilómetros da meta, João Almeida cedeu mesmo em relação a Kelderman, mas encontrou o seu ritmo e manteve a diferença em relação ao holandês à volta dos dez segundos enquanto as pendentes foram elevadas.

No entanto, quando a subida se tornou mais suave, Almeida ficou prejudicado por estar completamente sozinho enquanto, mais à frente, Jai Hindley continuava a rebocar o chefe de fila Kelderman, levando ainda Tao Geoghegan Hart, da Ineos.

A tirada acabou por sorrir a Tao Geoghegan Hart, com Kelderman a recuperar 41 segundos em relação a João Almeida - já contabilizando os seis segundos de bonificação do holandês -, com o português a segurar a camisola rosa por 15 segundos.

Esta segunda-feira, o pelotão goza o segundo dia de descanso, antes de enfrentar a brutal terceira e última semana da Volta a Itália. O sonho de João Almeida e do ciclismo português continua bem vivo.

Outras Notícias