Surf

Milhares de pessoas inundam Nazaré para assistir às ondas gigantes. Acesso ao Farol proibido

Milhares de pessoas inundam Nazaré para assistir às ondas gigantes. Acesso ao Farol proibido

A época das ondas gigantes está oficialmente aberta na Nazaré, com milhares de pessoas a assistir às acrobacias da elite do surf mundial que rumou à costa portuguesa para tentar alcançar a maior onda alguma vez surfada. A elevada concentração de pessoas levou as autoridades a cortar o trânsito automóvel e o acesso pedonal à zona do forte, de onde foram retiradas algumas pessoas por motivos de segurança.

As previsões confirmaram-se: a primeira grande ondulação da nova temporada aconteceu na Praia do Norte, na Nazaré e, apesar da pandemia de covid-19, milhares de pessoas deslocaram-se à encosta do Forte de São Miguel de Arcanjo esta quinta-feira para assistirem de perto às movimentações dos "big riders" dentro de água.

Os primeiros curiosos começaram a chegar ainda de madrugada, para conseguirem os melhores lugares, e pelas 8 horas da manhã a multidão já pintava grande parte do morro, com dificuldades em cumprir o distanciamento social imposto pela pandemia.

A afluência descontrolada de pessoas obrigou a Proteção Civil a montar um dispositivo de segurança, a reforçar a sinalização das regras sanitárias e a intensificar sensibilização para a utilização de máscara e de distanciamento social. No local está a PSP, a Polícia Marítima, o Instituto de Socorro a Náufragos, os Bombeiros da Nazaré e técnicos da Câmara Municipal da Nazaré ligados aos eventos de surf.

Já a meio da manhã, o acesso pedonal à zona do Farol foi interditado pelas autoridades, para tentar conter a concentração de espectadores na zona, revelou ao JN José Henriques, comandante do Porto da Nazaré. Depois de uma reunião com as várias organizações de Proteção Civil, foi decidido reforçar os meios no local, para tentar garantir o uso de máscara e o distanciamento entre as pessoas que encheram a zona envolvente da Praia Norte. A PSP foi chamada a realizar cortes de trânsito no acesso principal, mas também nas imediações da falésia com vista para a zona onde se encontram os surfistas.

"Desde que o contexto pandémico apareceu, ainda não houve nenhuma atividade desta", sublinha José Henriques, explicando os ajustes que estão a ser feitos esta manhã. Na zona da escarpa, e até na praia, vários agentes de proteção civil vão ser empenhados para evitar problemas de segurança relacionados com quedas, mas também para sensibilizar o público para as medidas de proteção relativas à covid-19.

Desmobilização

Ao final da manhã, com as ondas a diminuírem a espetacularidade do surf e com as autoridades a alertar a multidão para o cumprimento das regras de distanciamento social e uso de máscara, os milhares de pessoas que se encontravam na zona da falésia começaram a desmobilizar. Alguns foram ainda encaminhados para o areal, onde era possível manter maior distância entre as pessoas.

Outras Notícias