Futebol

Pedro Proença pede "respostas e decisões" do Governo

Pedro Proença pede "respostas e decisões" do Governo

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, pediu esta quinta-feira "respostas e decisões" do Governo para as propostas apresentadas, no dia em que o Presidente da República anunciou que vai dissolver o Parlamento.

Numa mensagem nas redes sociais, Pedro Proença salienta que, no dia em que foram marcadas eleições legislativas antecipadas, é importante "reforçar" a sua preocupação em relação à "falta de respostas e de decisões, no que ao futebol profissional diz respeito".

O presidente da LPFP lembra ainda algumas medidas propostas e que aguardam por respostas. "Por mais que tentemos fazer e arranjar formas e mecanismos no apoio às nossas Sociedades Desportivas, considero que seja de extrema importância termos o suporte do Governo, assim como, respostas às propostas que a Liga Portugal apresenta, como por exemplo, criação de condições fiscais em sede de IVA, IRC e IRS; reformulação do desadequado regime jurídico das Sociedades Desportivas; respostas às dores de implementação do Cartão do Adepto e necessidade de readaptação", explica.

Pedro Proença lembra que são oito os pontos apresentados ao executivo e para os quais pretende respostas, salientando que o caso da centralização dos direitos audiovisuais está já em andamento.

"Deixo mais uma vez o alerta de que o futebol, apesar de ser uma indústria com forte contributo em termos de fiscalidade para o país, e de ter um enorme reconhecimento internacional, é colocado à margem nos mais diferentes quadrantes. A 'crise' de respostas e soluções é um tema que o Governo não tem conseguido dizimar no futebol profissional", acrescenta.

O Presidente da República anunciou esta quinta-feira ao país que vai dissolver o parlamento, decisão que propôs na quarta-feira ao Conselho de Estado e que obteve parecer favorável.

"Uma semana e um dia depois da rejeição do Orçamento para 2022 encontro-me em condições de vos comunicar que decidi dissolver a Assembleia da República", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, numa comunicação a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, acrescentando que marcou as eleições legislativas antecipadas para 30 de janeiro.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG