F. C. Porto

Pinto da Costa: "Fomos apanhados um bocado de surpresa com a saída do André Villas-Boas"

Pinto da Costa: "Fomos apanhados um bocado de surpresa com a saída do André Villas-Boas"

O presidente do F. C. Porto recordou, esta segunda-feira, a saída de André Villas-Boas do comando técnico do clube azul e branco e um episódio de 2012 com James Rodríguez.

Depois de uma época de sonho ao serviço do F. C. Porto, André Villas-Boas deixou o comando técnico da equipa azul e branca em 2012 para assinar pelo Chelsea. Seguiu-se Vítor Pereira, que conseguiu conquistar dois campeonatos. Uma era que o presidente Pinto da Costa fez questão de recordar.

"Foi importante a continuidade. Fomos apanhados um bocado de surpresa com a saída do André Villas-Boas, porque ele tinha contrato. Apareceu o Chelsea e foi uma saída um pouco intempestiva e sem contarmos. Naquela emergência de arranjar um substituto, uma vez que não pudemos impedir a saída do André, porque o Chelsea pagou a cláusula de rescisão, entendemos que o melhor seria a continuidade do trabalho. O Vítor Pereira era o número dois do André, mas muito perto dele e com muita influência, que os jogadores respeitavam. Veio-se a provar que foi uma boa aposta, venceu dois campeonatos. Os jogadores adaptaram-se porque também o conheciam bem", afirmou em mais um episódio "Ironias do Destino", do Porto Canal.

O líder dos azuis e brancos recordou, ainda, um episódio com o colombiano James Rodríguez, que quase não jogou um clássico com o Benfica por ter chegado a poucas horas do encontro, depois de ter representado a seleção.

"O James estava na seleção e só chegava perto do meio-dia e punha-se em causa que não tinha condições de jogar. Quando ele chegou, fomos buscá-lo ao aeroporto, expusemos o problema e naturalmente que ele vinha cansado. Mas disse que queria jogar. Estabeleceu-se um plano com o doutor Puga e ele, mal chegou ao hotel, foi imediatamente dormir, depois de comer qualquer coisa. Só o acordámos à hora de saída do autocarro, para retemperar as forças e pôr o sono em dia, não fosse ele adormecer ao intervalo. Foi estabelecido que não entrava logo, porque seria demasiado esforço, mas entrou e virou o jogo: marcou um golo, deu outro a marcar e vencemos o jogo. Foi a certeza de que iríamos ser campeões", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG