Futebol

Portugal foi o país europeu que mais pagou a empresários

Portugal foi o país europeu que mais pagou a empresários

A época vai a meio, mas no que diz respeito a 2019 já ninguém tira um "título" a Portugal, que é oficialmente o país europeu que mais gastou em comissões a empresários.

Esta é uma das conclusões do relatório divulgado pela FIFA, organismo que tutela o futebol mundial. Segundo o estudo, os clubes nacionais vendedores pagaram 41,6 milhões de euros (M€) para um total de 41 transferências internacionais. Neste ranking, a Alemanha surge no segundo posto, tendo gastado menos 12,2 milhões comparativamente a Portugal.

A venda de João Félix para o Atlético de Madrid, por 120M€, contribui decisivamente para o item e valeu ao superagente Jorge Mendes, que intermediou o processo, uma verba de 12 M€, 10% do valor da transferência, que é o valor máximo regulado pela FIFA. Porém, este valor é meramente indicativo, pois os clubes e agentes podem negociar a transação por outro valor.

Jorge Mendes esteve ainda envolvido nas vendas de Raúl Jiménez, do Benfica para o Wolverhampton, e foi parceiro na venda de Thierry Correia, do Sporting para o Valência. Outra venda significativa no futebol português foi a de Militão para o Real Madrid, por 50 M€, numa transação intermediada por Giuliano Bertolucci, agente brasileiro, que também esteve na génese da transferência de Felipe para o Real Madrid. Uma venda que foi fechada por 20 M€.

No Sporting, a maior transferência em 2019 verificou-se com a venda do avançado Raphinha para o Rennes, de França, por 21 M€, num processo conduzido pelo antigo jogador Deco. Neste caso, segundo comunicado feito à CMVM, a SAD leonina pagou uma comissão de 2,5 M€. A venda do holandês Bas Dost para o Eintracht Frankfurt, segundo a administração leonina, implicou uma comissão de 2 M€ numa transferência de 7 M€.

Quase 600 milhões de euros em comissões

Segundo a FIFA, o total das comissões pagas pelos clubes aos intermediários chegou aos 590,1 M€, o que representa um aumento de 19,2% em relação ao que foi registado em 2018.

Apenas 395 das 17.896 transferências internacionais envolveu um intermediário. O motivo para um número tão baixo é que dois terços de todas as transferências internacionais são de jogadores sem contrato, o que significa que não há clube vendedor.

A Sérvia, com 20,8% dos casos, está no topo dos países em que os emblemas que vendem estão mais dependentes de intermediários para viabilizar as transferências, seguindo-se a Itália (19,9%), França (15.4%) e Portugal (13,1%).

Jorge Mendes terceiro na lista

Segundo a revista "Forbes", o empresário português é o terceiro agente desportivo mais influente de 2019, atrás de Scott Boras e Jonathan Barnett (agente de Bale). Mendes terá ganhado 118 milhões em comissões este ano.

Quarto na geral

Considerando vendas e contratações, Portugal ocupa a quarta posição, com um total de 70,5 M€ em comissões. Itália lidera o pódio (117,7), seguindo-se Inglaterra (93,5) e Alemanha (76,3).

Negócios no feminino

No futebol feminino, registaram-se 51 transferências mediadas por agentes e 15 envolveram clubes portugueses. Só os ingleses atingiram a mesma marca.