Regras

Cabeleireiros, restaurantes e lojas: lotação máxima e máscaras são receita para regresso seguro

Cabeleireiros, restaurantes e lojas: lotação máxima e máscaras são receita para regresso seguro

Pequeno comércio de proximidade, cabeleireiros, cinemas, ginásios, sapatarias ou lojas de roupa são alguns dos estabelecimentos que poderão começar a reabrir as portas, na próxima semana.

Segundo as regras propostas, deverá ser obrigatório o uso de máscara e a fixação de um número máximo de clientes no interior dos espaços, além da desinfeção das mãos. "Devemos começar pelo pequeno comércio de bairro. Depois, podemos avançar para outras lojas de porta aberta. E, finalmente, devemos chegar também às grandes superfícies", anunciou o primeiro-ministro António Costa. O Conselho de Ministros de amanhã deverá decidir como (em termos de segurança sanitária) e quais os setores da economia que vão retomar a atividade no dia 4 de maio.

Com marcação e limite de pessoas

Estão nas prioridades de reabertura do Governo. Segundo a Associação Portuguesa de Barbearias, Cabeleireiros e Institutos de Beleza, existem mais de 38 mil salões de cabeleireiro e institutos de beleza, que empregam mais de 50 mil pessoas. O acesso a esses espaços dependerá sempre de uma marcação prévia e da imposição de um número limitado de pessoas dentro dos referidos estabelecimentos, com máscara ou viseira e sem bijutaria. Será obrigatório ainda lavar e desinfetar as mãos à entrada.

Pronto selo e guia de boas práticas

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) entregou ontem ao Governo uma proposta de "Guia de boas práticas" para ser aplicado no setor, com vista à reabertura dos estabelecimentos de restauração e bebidas, além de um selo distintivo, que atestará que os restaurantes e bares cumprem as regras de higiene.

Na proposta de "Guia de boas práticas", constam regras de reorganização dos espaços; de controlo de entrada; de higiene pessoal; de limpeza e desinfeção; fardamento e equipamentos de proteção individual; além de cuidados a ter na confeção de alimentos; menus e serviço de self-service, buffets, takeaway e drive-in. Sem regras ainda definidas, a Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT) já aconselhou prudência, nomeadamente com a ideia de medição da temperatura dos clientes à entrada, considerando que dificilmente terá aplicação imediata, uma vez que vai exigir a criação de legislação "clara e inequívoca" por parte do Governo.

Regresso das validações

A partir de 1 de maio, volta a ser obrigatório validar os títulos de viagem nos transportes coletivos das áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa. Os clientes serão obrigados a usar máscara e será estabelecido um número máximo de pessoas, para garantir o cumprimento do distanciamento de segurança.

Bilhetes para filas alternadas

António Costa já tinha dito que será mais fácil voltar a abrir os equipamentos culturais com "lugar marcado". "Num cinema, a lotação é restrita, os lugares passam a ser todos marcados, só podem vender bilhetes de duas em duas filas, de três em três cadeiras", exemplificou o primeiro-ministro, ao "Expresso". O setor continua, contudo, a aguardar informação da Direção-Geral de Saúde. Segundo a Associação Portuguesa de Empresas Cinematográficas (APEC), a esperança é "abrir logo que possível".

Com plano para cinco semanas

Uma empresa de gestão de espaços desportivos, a ALL United Sports, divulgou um plano em três fases, distribuídas por cinco semanas, para garantir a segurança na reabertura dos ginásios. Nas primeiras duas semanas, propõe-se a medição da temperatura à entrada, a presença máxima de uma pessoa por cada quatro metros quadrados, obrigatoriedade do uso de máscaras e a disponibilização de desinfetantes para as mãos. A lotação na zona de cardiomusculação e nos balneários deve ser reduzida em 50%.

Na terceira semana, equivalente à segunda fase de reabertura, é proposta a retoma das aulas de grupo com uma limitação a 50% da ocupação. A partir da quinta semana, o plano prevê poder aumentar a lotação máxima para 75% do espaço, bem como a eventual reabertura dos serviços de spa, saunas e banhos turcos.

Comprar roupa ou sapatos

Também o pequeno comércio local poderá reabrir as portas na próxima semana, como cafés, barbearias, sapatarias e lojas de roupa em geral. Qualquer plano deverá passar pelo uso obrigatório de máscara e por um número limitado de clientes nos espaços.