Inflação

Centeno aponta para preços mais altos e menos temporários que o esperado

Centeno aponta para preços mais altos e menos temporários que o esperado

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, admitiu que a inflação vai ser mais elevada e menos temporária, apontando para uma revisão em alta da taxa nas próximas projeções do banco central.

"A inflação vai ser mais elevada e menos temporária do que esperávamos há um ano", disse o governador do Banco de Portugal (BdP), durante o discurso de encerramento da conferência "O impacto da nova ordem mundial na economia europeia", organizada pelo jornal Eco, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Com a atualização das projeções económicas no âmbito do Boletim Económico, previstas para o dia 6 de outubro, Mário Centeno já deixou pistas para uma revisão em alta do Índice Harmonizado de Preços no consumidor (IHPC), que o regulador em junho esperava de 5,9% este ano.

PUB

Segundo um quadro que acompanhava a apresentação do governador, a média das instituições aponta para um IHPC entre 7% e 8% este ano.

Não podemos pedir sempre a mesma resposta à crise

Centeno alertou ainda que a resposta à crise não pode ser a mesma do que em 2020, recordando que o Estado se preparou antes, nomeadamente com redução do peso da dívida.

"O Estado, de forma exemplar, aqui e na Europa, deu a resposta que tinha de dar à crise de 2020, mas não podemos pedir sempre a mesma resposta perante as mesmas circunstâncias e temos de pensar no que fizemos antes da crise para podermos responder à crise", disse.

Em 2020, uma política orçamental expansionista foi adotada por diversos países, com pacotes de medidas para estimular a economia, incluindo Portugal, e sugerida pela maioria das instituições internacionais como resposta à crise provocada pela pandemia.

A poucos dias do Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) e sem o referir diretamente, Mário Centeno deixou alertas para o futuro.

"A minha natureza de otimista é de que fizemos muito antes das crises, destas que estamos a viver hoje, para poderemos olhar para elas e dar uma resposta que tem de ser obviamente global e tem de ter este contexto", vincou, considerando necessário "cuidar" das capacidades que o Estado deve manter para dar essas respostas.

O responsável do banco central apontou ainda que, atualmente, as famílias registam menor dívida do que em 2009, menos 31 p.p. no peso do PIB, salientando ser o único setor que do ponto de vista absoluto regista menos dívida.

No que toca à dívida pública, Mário Centeno salientou que Portugal é dos poucos países na zona euro que cai em estimativa entre 2019 e 2023, assinalando que o ritmo que esta redução se concretize no futuro próximo deveria ser compatível com aproximação de limiar de 100% no médio prazo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG