Consumo

Há cada vez mais marcas a apostar no vinho em lata

Há cada vez mais marcas a apostar no vinho em lata

Há cada vez mais marcas portuguesas a apostar no vinho em lata, como forma de chegar a clientes mais jovens e novas ocasiões de consumo, designadamente ao ar livre, onde as garrafas de vidro são proibidas.

Em mercados como o americano ou o brasileiro, abrir uma lata de vinho é um gesto habitual, sobretudo entre o público mais jovem, ou no consumo ao ar livre. Em Portugal, um mercado mais conservador no que ao vinho diz respeito, a inovação ainda causa estranheza a muitos, mas há cada vez mais marcas a apostar neste segmento de produto que vale, segundo dados de 2019, mais de 70 milhões de dólares (cerca de 60 milhões de euros) em todo o mundo. Os dados são da consultora Grande View Research, que antecipa um "crescimento significativo" nos próximos anos.

Pelo menos desde julho de 2016, quando a PositiveWine, da Bairrada, colocou no mercado o Flutt, o primeiro vinho espumante nacional em lata, que as empresas portuguesas olham com curiosidade para este segmento. Mas só com o anúncio, há duas semanas, do lançamento de Gatão e Gazela neste novo formato, é que a maioria dos consumidores portugueses se deu conta deste novo produto. E há muitos produtores que já lançaram ou estão para lançar as suas marcas em lata, à conquista dos millenials e das oportunidades de consumo que a simplicidade da abertura de uma lata acarreta.

O Gatão chegou ao mercado há duas semanas e Gil Frias, diretor comercial do grupo JMV, que detém os Vinhos Borges, fala numa recetividade "muito acima" do esperado num mercado "convencional e ortodoxo" como o português. Segue-se, a partir de abril, a chegada aos cerca de 70 mercados em que a marca está presente, mas com uma aposta especial no continente americano, na Europa central e do norte, bem como na zona do Mediterrâneo e na Península Ibérica.

Sendo difícil antecipar vendas de um produto completamente novo, sobretudo quando a marca ainda não arrancou com as campanhas de promoção, Gil Frias admite, no entanto, que as expectativas apontam para três milhões de latas nos primeiros doze meses.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG