PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

600 euros

Aumento do salário mínimo publicado em "Diário da República"

Aumento do salário mínimo publicado em "Diário da República"

O diploma que fixa em 600 euros o valor da retribuição mínima mensal garantida a partir do próximo dia 01 de janeiro foi publicado esta quinta-feira em "Diário da República".

O aumento do salário mínimo, em 20 euros, foi aprovado pelo Conselho de Ministros em 20 de dezembro, estimando na altura o Governo que vai beneficiar "mais de 750 mil trabalhadores".

No decreto-lei publicado esta quinta-feira, que entra em vigor em 01 de janeiro de 2019, o executivo lembra que este aumento resulta do compromisso do Governo de "promover uma política de rendimentos numa perspetiva de trabalho digno" e garantir aos trabalhadores uma valorização progressiva do seu trabalho, "conciliando" o objetivo de reforço da coesão social com o da sustentabilidade da política salarial.

"A RMMG [retribuição mínima mensal garantida] constitui, sob diferentes pontos de vista, um referencial importante do mercado de trabalho, com implicações quer na ótica do trabalho digno, do reforço da coesão social e do combate à pobreza, quer nas condições de competitividade e sustentabilidade das empresas e no dinamismo económico agregado", refere o Governo no diploma.

A RMMG foi aumentada em 01 de janeiro de 2016, de 505 euros, para 530 euros, depois para 557 euros a partir de 01 de janeiro de 2017, e subiu para 580 euros a partir de 01 de janeiro de 2018.

No diploma, o executivo defende que esta trajetória de aumentos permitiu alcançar uma valorização nominal da RMMG na ordem dos 15 % entre 2015 e 2018.

"Os resultados do acompanhamento trimestral dos impactos da atualização da RMMG sugerem que esta trajetória de atualização da RMMG contribuiu para devolver dignidade e valor ao trabalho e para melhorar os níveis de coesão social, reduzindo a pobreza e diminuindo as assimetrias salariais, sem com isso comprometer a sustentabilidade da economia portuguesa e sem pôr em causa o crescimento do emprego e a redução do desemprego", acrescenta o executivo.