Greve

CGTP queixa-se de intromissão e PSP elogia ação policial no Porto de Setúbal

CGTP queixa-se de intromissão e PSP elogia ação policial no Porto de Setúbal

A CGTP queixa-se de "intromissão policial em conflito laboral", depois da PSP ter retirado da via os estivadores que impediam a chegada de um autocarro com trabalhadores externos.

O reforço policial no Porto de Setúbal vai continuar nos próximos dias para manter a ordem pública, mas a União de Sindicatos de Setúbal (USS) da CGTP classifica a presença da PSP "injustificável".

Luís Leitão, dirigente sindical da USS, refere ao JN que "o que está aqui em causa é um conflito laboral entre os trabalhadores e a empresa, sendo injustificável a presença de elementos da PSP para travar o piquete".

O autocarro que transporta os estivadores contratados para substituir os trabalhadores eventuais do porto de Setúbal para carregar um navio com viaturas produzidas na fábrica da Autoeuropa entrou no recinto pelas 9.9 horas.

A passagem da viatura tinha sido bloqueada pelos trabalhadores eventuais do porto de Setúbal, parados desde o passado dia 5 em luta por um contrato coletivo de trabalho e que desde as 6 horas estão concentrados no local em protesto contra a sua substituição por trabalhadores exteriores ao porto para os substituir no carregamento do navio.

Segundo apurou o JN, a vinda destes trabalhadores foi comunicada ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, que fiscaliza a entrada de pessoas nos portos, há pelo menos dois dias. Ao que foi possível apurar junto de fonte ligada ao processo, a operação foi desencadeada pelos operadores do cais, Naviport e Operestiva, articulada com a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra.

Os trabalhadores, de nacionalidade portuguesa, mas a laborar em portos no exterior, entraram num autocarro no Porto de Setúbal para realizar a carga de viaturas da Autoeuropa contra a vontade dos manifestantes que se deitaram em frente à viatura e tiveram que ser removidos pela PSP.

PSP salienta a calma, ponderação e compreensão dos agentes

O reforço policial no Porto de Setúbal para permitir a entrada de um autocarro com trabalhadores para o cais da Autoeuropa levou à mobilização de elementos das divisões de todo o comando para o local.

Viola Silva, comandante distrital da PSP de Setúbal, salientou a calma e a serenidade das forças de segurança perante "trabalhadores que estão a defender os seus direitos".

Os trabalhadores impediram a circulação do autocarro ao deitarem-se na estrada e foram removidos pela PSP. "Tínhamos que permitir a entrada de trabalhadores no Porto de Setúbal e impedir conflitos entre quem seguia no autocarro e quem impedia a sua entrada", prosseguiu Viola Silva, apontando para a "obrigação da PSP em garantir a ordem pública".

Um forte dispositivo policial de dezenas de elementos da Unidade Especial de Polícia (UEP) e da brigada de intervenção rápida está desde o início manhã junto ao porto de Setúbal para garantir a entrada desta viatura e o carregamento do navio.

O autocarro entrou no porto escoltado por cinco viaturas da UEP e, pelas 9.15 horas, mantinha-se um cordão policial a condicionar a passagem dos estivadores concentrados à entrada do terminal de automóveis do porto de Setúbal.

* com Lusa