PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Revela auditoria

Gestores da Caixa recebiam prémios "de forma avulsa"

Gestores da Caixa recebiam prémios "de forma avulsa"

A auditoria da EY, antes designada por Ernst & Young, aos atos de gestão da Caixa Geral de Depósitos revela que até 2008 não havia critérios para a remuneração variável dos gestores.

No documento, citado no domingo pela comentadora política Joana Amaral Dias e facultado pela própria ao jornal "Expresso", é revelado que durante vários anos os administradores executivos do banco estatal tiveram remunerações variáveis sem critérios claros e recebiam prémios mesmo quando o banco tinha prejuízo. Trata-se de uma auditoria aos atos de gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015.

"Em particular no período 2000-2008 não foi obtida evidência dos princípios orientadores para a remuneração variável aplicada, concluindo-se que as decisões foram tomadas de forma avulsa", lê-se no relatório, que aquele jornal diz ser uma versão preliminar da auditoria, datada de dezembro de 2017 e encomendada pelo secretário de Estado Adjunto e das Finanças em março desse ano.

A auditoria revela ainda que "a CGD não dispôs de uma política remuneratória" para a administração executiva até 2015 e que "as decisões de remuneração não continham elementos que contribuíssem para alinhar os incentivos dos gestores com o objetivo de longo prazo da instituição".

Só em 2009 foi aplicado um princípio de diferimento de 50% da componente variável da remuneração, mas "não foi estabelecida qualquer condição entre o pagamento desta componente e a avaliação de desempenho dos administradores".